Vanguard News Network
VNN Media
VNN Digital Library
VNN Reader Mail
VNN Broadcasts
Local Blogs
Miscellaneous

Old July 2nd, 2011 #41
Nikolas Försberg
PUBLIC ENEMY NUMBER ONE
 
Nikolas Försberg's Avatar
 
Join Date: Dec 2010
Location: Battlefield
Posts: 3,297
Blog Entries: 4
Nikolas Försberg
Default

Fonte: The Third Position: History & Ideology



"We must take from the right nationalism without capitalism and from the left socialism without internationalism."
-Gregor Strasser

There has been some recent discussion on Stormfront in regard to what constitutes Third Positionism. I decided to take it upon myself to start a thread to discuss the history of Third Positionism, its variants, and some of those variants ideological principles.

I do not want this topic to degrade into a debate regarding whether or not concepts such as National-Anarchism are compatible with White Nationalism -that has already been covered several times on this forum- or anything along those lines. This thread is primarily about the history and ideology of Third Positionist movements, so I ask that all conversation center around those themes exclusively.





Definition:

The definition of Third Positionism is very basic. It denotes an ideological alternative to both capitalism and communism -hence, it's a 'third' economic choice between the two systems.

Historians and political theorists typically use to term to describe various nationalistic ideological currents which originated in the late 19th/early 20th century and which continue to be promoted by various political parties and movements throughout the world to this day.


The Critique:

-Against Communism-

A common criticism Third Positionists -of all varieties- level against communism is its inherent cosmopolitanism and the overall Utopian nature of the theory.

Third Positionists, being nationalists, feel that internationalism is fundamentally at odds with humanity's innate ethnocentrism, which is a significant aspect of our human nature. Third Positionists also feel that it's undesirable for humanity to embrace internationalism, for it ultimately destroys cultural and racial diversity.

The stateless/anarchic paradise which Marx foresaw as the end result of communism (following the transitional socialist stage) is seen as basically being unattainable by adherents of the Third Position, for it too runs contrary to aspects of human nature, particularly in the post-industrial age.


-Against Capitalism-

Capitalism is viewed by adherents of the Third Position to be exploitative, unjust, anti-social, and contrary to notions of national and racial solidarity. Socialist theoretician Gregor Strasser described the Third Positionist critique of capitalism quite well when he wrote:

"We are socialists. We are enemies, deadly enemies of today's capitalist economic system with its exploitation of the economically weak, its unfair wage system, its immoral way of judging the worth of human beings in terms of their wealth and their money, instead of their responsibility and their performance, and we are determined to destroy this system whatever happens!"



VARIETIES

Since the Third Position is a vague term, a number of differing ideologies encompass its classification; the only thing that binds them all together is their common stance against capitalism and communism.


NATIONAL SOCIALISM
(also referred to as: 'social nationalism', 'nationalist-socialism', 'socialist nationalism', etc.)

Like the term 'Third Position', national socialism is a broad term which encompasses a wide range of differing interpretations and manifestations. Contrary to popular belief, Adolf Hitler's NSDAP (National Socialist German Workers' Party) was not the first or only variety of national socialism to have existed.

The term originated almost simultaneously in France, Czechoslovakia, and Austria in the late 1800s, though nationalistic socialist concepts existed well before the actual term itself was coined.

The French novelist, anti-Dreyfusard, and socialist politician, Maurice Barrès, first evoked the phrase "socialist nationalism" in his 1898 electoral campaign. Like most of his campaigns, Barrès ran on a platform of "Nationalism, Protectionism, and Socialism".

Aside from being one of the first noteworthy national socialist politicians, Barrès was also one of the earliest French political theorists to develop a concept of ethnic nationalism. Maurice Barrès' theories went on to subsequently influence various manifestations of national socialism and fascism throughout Europe -particularly the first national socialist mass movement, Pierre Biétry's 300,000 member Yellow Socialist union.

In 1898, the Czech National Social Party was founded. The party supported a fusion of nationalism and socialism. The 25 Point Programme drafted by Adolf Hitler, Anton Drexler, and Gottfried Feder, and adopted by the NSDAP, was greatly influenced by the Czech National Socialist Party platform.

The German National Workers' League of Austria changed its name to the 'German National Socialist Workers' Party' in 1918, running on a pan-Germanic nationalist and socialist platform, reminiscent of the policies embraced by Hitler's NSDAP. In 1930, the party split into two factions, one favoring a democratic structure, and the other favoring Adolf Hitler's Führerprinzip -the party ultimately merged with the NSDAP following Austria's annexation into the Third Reich.


-Hitlerism-

Few would deny that Hitlerism -that is, the unique expression of national socialism established by Adolf Hitler- is the most prominent variety of national socialism in history. Before I explain the distinguishing features of Hitlerian national socialism, I shall briefly outline the origins of the NSDAP and Hitler's association with the party.

Anton Drexler, a self-identified socialist, founded the German Workers' Party in 1919 on the principle of establishing a new socialist party which was also nationalist in nature. After some hesitation and upon reviewing and approving of Drexler's pamphlet -My Political Awakening- Adolf Hilter joined the German Workers' Party in September of 1919, becoming the 55th member of the party and the 7th member of the party's executive committee.

Hitler subsequently suggested changing the party's name to the Social Revolutionary Party, but in February 1920, the German Workers' Party officially changed its name to the National Socialist German Workers' Party. By 1921 Adolf Hitler basically became the undisputed leader of the party, and by 1923 Drexler had resigned from the NSDAP.

Hitlerism is distinguished by a number of characteristics:

*The Führerprinzip: Basically, the political will of the nation is embodied in the Führer, rendering most forms of democracy abolished.

*Pan-Germanism: The notion that all people of Germanic descent should be unified within one German Reich.

*Lebensraum: Hitler believed that Germany lacked the essential living space required for the Reich's surplus population, and devised an expansionist theory in which Germanic peoples would settle Eastern Europe.

*Eugenics: In accordance with Hitler's racialist beliefs, the Third Reich implemented eugenic laws for the enhancement of the race. The NSDAP also passed legislation outlawing miscegenation (the Nuremberg Laws).

*Dirigisme: Adolf Hitler preserved private ownership over most enterprises, under the strict condition that the state regulated these businesses to run in according with the nation's collective interests. Such regulations included price controls, wage controls, job security, investment controls, dividend restrictions, production quotas, and state directed trade.

Germany's central bank was nationalized, as were companies which didn't comply with state ordinances. Europe's largest state-owned and operated company was also established under the Third Reich, the Reichswerke-Hermann Göring.

*Social Welfare: Aside form the obvious socialist characteristics found within the Third Reich's dirigism, Hitler's regime also implemented several social welfare measures. A socialized health care program was started, expanding coverage to all German citizens; public work projects were created to combat unemployment; social security was expanded; low cost homes were constructed for the German proletariat, with 1,458,128 units being constructed between 1933-37; generous loans, tax breaks, and welfare services were given to German families; the Kraft durch Freude state initiative gave paid vacations to all German workers, as well as free cultural events to attend; etc. For more information, read Léon Degrelle's The First Years of the Third Reich.


-Strasserism-

Gregor Strasser joined the NSDAP in 1921, with his younger brother, Otto, joining in 1925. Both brothers, along with party comrades like Joseph Goebbels, devised an ideological current within the NSDAP which differed from the more moderate policies favored by Hitler and the monetarist theories promoted by Gottfried Feder.

The national socialism of the Strasser brothers contains the following characteristics:

*European Collaboration: In contrast to the pan-Germanic imperialism and Nordicism endorsed by Hitler, Strasserism promoted pan-Europeanism. This pan-Europeanism would entail an economic cooperation between all European partners, so as to avoid the counterproductive aspects of economic competition between European states.

Otto Strasser believed that all Europeans were of similar racial descent and therefore fundamentally rejected any theory of superiority between European nationalities or subraces. However, Strasser also believed in the preservation of unique cultures and ethnicities.

*Federalism: Otto Strasser promoted the decentralization of Germany, turning the nation into several distinct cultural regions which would be self-governing autonomous communities, though all regions would practice the same socialist economic model.

*Socialization: The Strasser brothers (and many other members of the NSDAP) promoted the outright collectivization of the means of production. Workers' councils were to govern their workplaces, with state oversight to ensure such businesses were acting in accordance with nationalists interests. The bourgeoisie were to be abolished and assimilated into the new socialist mode of production. Finance capital was also to be nationalized by the state.

*Agrarian Reform: The Strasser faction of the NSDAP promoted the expropriation of the large landed estates in Germany, with the land to be redistributed to peasant families. All land would be owned by the state, but family farmers would be grated hereditary title the plots of land. The farms would remain in the possession each family until such time as the family no longer had a descendant willing to farm the land.


After the fall of the Third Reich, several national socialist parties emerged in Germany, and throughout the world, most notably Otto-Ernst Remer's Socialist Reich Party and Otto Strasser's German Social Union Party.

The Socialist Reich Party, funded in-part by the Soviet government, quickly drew significant support from among the West German populace but was banned under the denazification laws established by the new German government.

Otto Strasser, who was finally allowed to return to Germany in the mid 1950s, was almost imprisoned due to antisemitic statements he made in public while promoting his new political party. The German Social Union Party ultimately attracted few followers.


NATIONAL SYNDICALISM

Revolutionary syndicalism had become a very popular current in Europe in the early 20th century, particularly in France, Italy, and Spain. However, by the start of World War I, a historic split arose within the syndicalist and socialist movements, between those individuals and organizations which supported participation in the war versus those who didn't.

Following the split within the syndicalist movement, the pro-war syndicalist faction started becoming more outspoken about their nationalist views. While the revolutionary syndicalist movement accepted nothing but proletarian internationalism, these nationalist syndicalists rejected Marxian internationalism and affirmed the legitimacy of the nation-state.

Revolutionary syndicalists theorized a socialist mode of production where workers would own the means of production and workers' councils would manage their enterprises within the framework of a stateless society; National Syndicalists also favored worker ownership and management of the means of production, but within the framework of a nation-state and with their nation's government co-owning and co-managing businesses with the workers' councils.

Georges Valois' Cercle Proudhon, established in 1911, was one of the first organizations involved in the cultivation of National Syndicalist theory.

Mussolini's Fascist movement was initially linked with the National Syndicalist movement, though over time the party adopted its own ideology -a form of corporativism.

Ramiro Ledesma Ramo established his own National Syndicalist party (the JONS) in Spain, prior to the Spanish Civil War. The JONS made significant progress among the socialist and anarchist circles in Spain, with its political program even being reviewed by the CNT-FAI central committee. Eventually, Ramo's merged his party with José Antonio Primo de Rivera's Falange party. However, Ramo's became disillusioned with José Antonio's more mild corporativist theories, and eventually resigned from the FE-JONS.

Both Ramos and José Antonio were murdered by Republican forces during the Spanish Civil War, allowing the reactionary general, Francisco Franco, the opportunity to co-opt the movement -which he did, eventually betraying the syndicalist principles of the party and allowing for traditionalists (monarchists and theocrats) to join and alter the party.


NATIONAL BOLSHEVISM

'National Bolshevism' is often misunderstood due to its provocative and paradoxical name. Nevertheless, the ideology represents a significant strand of Third Positionism, as it rejects both capitalism and Marxism.

There are basically two strands of National Bolshevism which arose in the early 20th century, that of the Russian Professor, Nikolay Ustryalov, and that of the political activist and German Professor, Ernst Niekisch.

Nikolay Ustryalov, initially a White Russian opponent of the Bolsheviks, eventually came to view the Bolshevik revolution as a continuation of Russian nationalism, especially considering the nationalistic reforms enacted by Joseph Stalin following Lenin's death. At this point, Ustryalov began theorizing the possibilities of this new Bolshevism, which he coined National Bolshevism. Nevertheless, in 1937 Ustryalov was murdered in Stalin's infamous 'Great Purge' of 1937, on counts of "espionage, counter-revolutionary activity and anti-Soviet agitation."

Ernst Niekisch was originally a member of the German Social Democrat Party, but like Otto Strasser, was expelled for promoting extreme nationalism and antisemitism. Like all Third Positionists, Niekisch rejected the cosmopolitanism of Marxian socialism and affirmed the validity and necessity of the nation-state. Following his expulsion from the SPD, Niekisch took control of the Old Socialist Party of Saxony and established a political journal, Widerstand, which promoted his nationalist brand of socialism.

Niekisch felt that the socialist policies promoted by Hitler were too mild, and looked to Stalinism as a model for his National Bolshevik Führerprinzip, as opposed to Hitlerism.

In 1932, Niekisch authored a book critical of Hitlerism, entitled Hitler: Ein Deutsches Verhängnis. The NSDAP was aware of Niekisch's book and upon coming to power in 1933, targeted him for arrest. Niekisch took his organizations underground but was eventually caught and sent to a concentration camp in 1937. During his time in captivity, Niekisch became blind. As a result of his treatment by the NSDAP, following the end of World War II, Niekisch ended his political career as an orthodox Marxist, rejecting the nationalism he had once firmly espoused.


FASCISM

As mentioned above, National Syndicalism represented a type of proto-fascism in Europe. However, as Mussolini's Fascist Party grew and drew in a more diverse membership, political philosophers (such as Giovanni Gentile) joined the movement and forged a new ideology for the party to embrace -this ideology came to be known as Corporativismo (or 'Corporativism', in English).

Contrary to what is commonly considered "corporatism", the corporativism developed by the Italian Fascist movement did not mean the merger of state and private corporate power.

The structure of corporativism is essentially a form of syndicalism. The Corporate Chamber is a vertical union, with three main bodies being represented: labor, business owners/management, and the state -with peripheral figures like economic and industrial experts also being included in the process of negotiation. Thus, while the means of production are still technically in private hands, the capitalist mode of production is abolished, with this cooperative model replacing it. Labor and business owners collectively determine wages, the management structure, investment, etc. with the state acting as an arbiter between the two factions.

The corporativist model never came to represent the of mode of production for the majority of businesses in Fascist Italy; instead, Italy practiced a more mild form of dirigisme than that which was practiced by the Third Reich. Social welfare policies were enacted, which included public works for the unemployed, a socialized health care policy, affordable housing, and leisure activities organized by the Opera Nazionale Dopolavoro. Unbeknown to many, traditional syndicalist worker cooperatives were also officially recognized by the state and allowed to remain in existence in Fascist Italy, even flourishing throughout the history of the regime, with syndicalist enterprises expanding from 7,131 businesses in 1927 to 14,576 by 1937.

Mussolini never liquidated the royal family, the bourgeoisie, or the position of the Catholic Church in Italy, but eventually came to recognize the error of not doing so when the royal family betrayed him and joined the allied forces in World War II.

After the NSDAP rescued Mussolini from captivity, they allowed him to establish a new republic in Salò, Italy, which he named the Italian Social Republic. Mussolini, who was a former Marxist as well as a former National Syndicalist, decided to abandon the corporativism he once embraced, in favor of a traditional form of nationalist socialism. He called upon his long time friend and former member of the Italian Socialist Party, Nicola Bombacci, to draft the new socialist legislation for the republic at the Congress of Verona in 1943. Mussolini succeeded in nationalizing the major firms in Northern Italy and had laws established for the further nationalization of all companies with over 100 employees following the war.

Nicola Bombacci was murdered by communist partisans along with Mussolini in 1945. His final words were: "Long live Mussolini! Long live socialism!"


Francisco Franco, upon coming to power in Spain, instituted an emasculated version of corporativism. Exploiting one of the major flaws within the system, Franco used to power of the state to take the side of the business over that of labor in basically every vertical union meeting. Franco's reactionary regime also never implemented any significant form of social welfare policies for the Spanish people.


British politician, Oswald Mosley, originally adopted the corporativist economic model to promote in his British Union of Fascists, but eventually came to recognize the flaws of the theory, thereby adopting instead a Strasserist form of National Syndicalism towards the end of his political career.


DISTRIBUTISM

While often being less nationalistic, socialistic, and racialist than other varieties of Third Positionism, distributism nevertheless is fundamentally anti-capitalist and anti-communist and has even been adopted by certain White Nationalist circles in contemporary history. Therefore, most would agree that distributism has a place within the Third Position.

The theory is based up the Catholic teachings of Pope Leo XIII, which were expounded upon by G.K. Chesterton and Hilaire Belloc in the early 20th century.

Distributists promote the decentralization of capital via agrarian reform, anti-trust legislation, and a return to the artisan mode of production. Distributists are opposed to all forms of usury and favor what is referred to as the 'just price theory', which rejects the supply and demand system of capitalism on a moral basis.

Some view distributism as being unpractical in the post-industrial age, arguing that unless a primitivist restructure of society were undertaken, distributism could not be expected to function well in the modern age.


NATIONAL-ANARCHISM

In the 1920s, when expressing his views of a decentralized nationalistic socialist German society, Helmut Franke used the term "national anarchism" to describe his theory. The term wasn't expressed again until the 1980s, when certain European anarchists began theorizing an anarchism which was also nationalistic in character. These anarchists looked to the nationalistic and racialist sentiments expressed by Mikhail Bakunin and Pierre-Joseph Proudhon for inspiration in the development of their ideology.

Troy Southgate, a former member of the International Third Position, is one of the primary national anarchist theoreticians today.

National Anarchists promote the complete abolition of nation states, to be replaced by voluntary tribal communities, based upon cultural and ethnic identity. Economically, National Anarchists favor everything from mutualism to primitivist agrarianism.



OTHER USES

The term 'Third Position' is obviously not exclusively used to describe the various anti-capitalist and anti-communist nationalistic movements of the early 20th century. The term has also been used in a variety of ways which have nothing at all to do with the aforementioned political ideologies.


-In Marxism-

The (Jewish) Marxist philosopher, Max Adler, used the term 'third position' to denote a sociological theory he established regarding a third position in Marx's theory of dialectical materialism, which rejects both the narrow orthodox Marxian view that all historical events can be understood and explained solely by considering the mode of production a society embraces, and the view that history should be viewed through the lenses of the individual actions of people in a given society -Adler instead favored a "third position" in which "dialectical materialism deals with the entire universe" with its logic "holding good for all the constituent sectors of reality which enter into human experience: nature, society, and thought."


-In Capitalism-

Capitalists too have invoked the term "third position" to describe various ideological currents within market theory.

The "third position" (sometimes called the "third way") of capitalism refers to a concept originally theorized by European Social Democrats. Former American president Bill Clinton embraced this ideology, by supporting certain welfare policies which instead of having the state provide the services, the state would hire private corporations to carryout the policies. Tony Blair also embraced some of these centrist policies, incorporating them into the 'New Labour' platform.

Certain National Capitalist political parties have emerged using the term "Third Position" as well, such as the newly established American Third Position Party -which is a nationalist party favoring a "third position" between liberal Democrats and conservative Republicans.


There are other uses of the term "third position" as well, but they aren't relevant to the topic at hand.


CONTEMPORARY THIRD POSITIONISM

The regime of Juan Perón in Argentina is often cited as an expression of Third Positionism. Perón established corporativist vertical unionism as the dominant mode of production, initiated social welfare programs, and created nationalized industries to compete with the private sector to keep prices low. It wasn't until 1955 that the Perónist model began to be abandoned, in favor of disastrous neoliberal reforms..

In post-World War II Europe, a variety of Third Positionist movements arose. Jean-Gilles Malliarakis started the French Mouvement Nationaliste Révolutionnaire in 1979, which promoted Strasserism. Christian Bouchet's Nouvelle Résistance was a French National Bolshevik group established in 1991. The Freiheitliche Deutsche ArbeiterPartei, founded in 1979 and banned in 1995, was a German Strasserist organization. In the mid 1980s, the radical French student group, Groupe Union Défense, began to embrace Strasserist/Third Positionist theories. Jean Thiriart, a member of the European Liberation Front, also founded the Third Positionist National Communitarian Party, which promoted a non-Marxian brand of nationalist socialism. Eduard Limonov's National Bolshevik Party is also widely considered part of the Third Position, though it is routinely criticized for abandoning aspects of ethnic nationalism and aligning the party with the orange "revolutionary" Putin opposition movement -this eventually brought on a split in the party led by Aleksandr Dugin in 2006.

Despite many setbacks, the Third Position -in its various forms-, continues to exist throughout the world, with no sign of slowing down. The following is a short list of active Third Positionist groups.

SOCIAL NATIONALIST ORGANIZATIONS:
*The National Resistance Movement (Germany).
*The Patriotic Socialist Movement (Spain).


NATIONAL SYNDICALIST ORGANIZATIONS:

*CasaPound (Italy).
*The Authentic Falange (Spain).


NATIONAL BOLSHEVIK ORGANIZATIONS:

*The National Bolshevik Front (Spain).
*The National Communist Party (Sweden).
*The European National Communitarian Party (Belgium).


NATIONAL-ANARCHIST ORGANIZATIONS:

*The Bay Area National Anarchists (U.S.)
*The National Anarchists of AUS/NZ (Australia/New Zealand).


Here is a beautiful video featuring some of the primary Third Position ideologues throughout history:

SOURCES
*Degrelle, Léon. The First Years of the Third Reich.
*Strasser, Otto. Germany Tomorrow.
*Speer, Albert. Inside the Third Reich.
*Gregor, Anthony J. Mussolini's Intellectuals: Fascist Social and Political Thought.
*Payne, Stanley G. Fascism: Comparison and Definition.
*Payne, Stanley G. Falange: A History of Spanish Fascism.
*Stuart, Robert. Marxism and National Identity: Socialism, Nationalism, and National Socialism During the French Fin de Siecle.
*Overy, Richard J. War and Economy in the Third Reich.
*Domarus, Max. The Complete Hitler.
*Irving, David. Goebbels: Mastermind of the Third Reich.
*Stoddard, Lothrop. Into The Darkness.
*Aly, Götz. Hitler's Beneficiaries.
*Temin, Peter. Soviet and Nazi Economic Planning in the 1930s.
*Schoenbaum, David. Hitler's Social Revolution.
*Pedley and Collier. Germany 1919-45.
 
Old July 30th, 2011 #42
RickHolland
Wolves don't serve masters
 
RickHolland's Avatar
 
Join Date: Apr 2009
Location: Soviet Union
Posts: 5,037
Blog Entries: 1
RickHolland
Default

Arquivo online com algumas obras da ideologia fascista.

http://fascists.zxq.net/index.html
__________________
Only force rules. Force is the first law - Adolf H. http://erectuswalksamongst.us/ http://tinyurl.com/cglnpdj Man has become great through struggle - Adolf H. http://tinyurl.com/mo92r4z Strength lies not in defense but in attack - Adolf H.
 
Old September 30th, 2011 #43
RickHolland
Wolves don't serve masters
 
RickHolland's Avatar
 
Join Date: Apr 2009
Location: Soviet Union
Posts: 5,037
Blog Entries: 1
RickHolland
Default A Doutrina do Fascismo

THE DOCTRINE OF FASCISM

BENITO MUSSOLINI (1932)


Quote:
APPENDIX

1. Philosophic conception

(1) If Fascism does not wish to die or, worse still, commit suicide, it must now provide itself with a doctrine. Yet this shall not and must not be a robe of Nessus clinging to us for all eternity, for tomorrow is some thing mysterious and unforeseen. This doctrine shall be a norm to guide political and individual action in our daily life.

I who have I dictated this doctrine, am the first to realize that the modest tables of our laws and program the theoretical and practical guidance of Fascism should be revised, corrected, enlarged, developed, because already in parts they have suffered injury at the hand of time. I believe the essence and fundamentals of the doctrine are still to be found in the postulates which throughout two years have acted as a call to arms for the recruits of Italian Fascism. However, in taking those first fundamental assumptions for a starting point, we must proceed to carry our program into a vaster field.

Italian Fascists, one and all, should cooperate in this task, one of vital importance to Fascism, and more especially those who belong to regions where with and without agreement peaceful coexistence has been achieved between two antagonistic movements.

The word I am about to use is a great one, but indeed I do wish that during the two months which are still to elapse before our National Assembly meets, the philosophy of Fascism could be created. Milan is already contributing with the first Fascist school of propaganda.

It is not merely a question of gathering elements for a program, to be used as a solid foundation for the constitution of a party which must inevitably arise from the Fascist movement; it is also a question of denying the silly tale that Fascism is all made up of violent men. In point of fact among Fascists there are many men who belong to the restless but meditative class.

The new course taken by Fascist activity will in no way diminish the fighting spirit typical of Fascism. To furnish the mind with doctrines and creeds does not mean to disarm, rather it signifies to strengthen our power of action, and make us ever more conscious of our work. Soldiers who fight fully conscious of the cause make the best of warriors. Fascism takes for its own the twofold device of Mazzini : Thought and Action u. (Letter to Michele Bianchi, written on August 27, 1921, for the opening of the School of Fascist Culture and Propaganda in Milan, in Messaggi e Proclami, Milano, Libreria d'Italia, 1929, P. 39).

Fascists must be placed in contact with one another; their activity must be an activity of doctrine, an activity of the spirit and of thought

Had our adversaries been present at our meeting, they would have been convinced that Fascism is not only action, but thought as well (Speech before the National Council of the Fascist Party, August 8, 1924, in La Nuova Politica dell'Italia, Milano, Alpes, 1928, p. 267).

(2) Today I hold that Fascism as an idea, a doctrine, a realization, is universal; it is Italian in its particular institutions, but it is universal in the spirit, nor could it be otherwise. The spirit is universal by reason of its nature. Therefore anyone may foresee a Fascist Europe. Drawing inspiration for her institutions from the doctrine and practice of Fascism; Europe , in other words, giving a Fascist turn to the solution of problems which beset the modern State, the Twentieth Century State which is very different from the States existing before 1789, and the States formed immediately after. Today Fascism fills universal requirements; Fascism solves the threefold problem of relations between State and individual, between State and associations, between associations and organized associations. (Message for the year 1 October 27, 1930, in Discorsi del 1930, Milano, Alpes, 1931, p. 211).

2. Spiritualized conception

(3) This political process is flanked by a philosophic process. If it be true that matter was on the altars for one century, today it is the spirit which takes its place. All manifestations peculiar to the democratic spirit are consequently repudiated: easygoingness, improvisation, the lack of a personal sense of responsibility, the exaltation of numbers and of that mysterious divinity called n The People a. All creations of the spirit starting with that religious are coming to the fore, and nobody dare keep up the attitude of anticlericalism which, for several decades, was a favorite with Democracy in the Western world. By saying that God is returning, we mean that spiritual values are returning. (Da the parte va it mondo, in Tempi della Rivoluzione Fascista, Milano, Alpes, 1930, p. 34).

There is a field reserved more to meditation upon the supreme ends of life than to a research of these ends. Consequently science starts from experience, but breaks out fatally into philosophy and, in my opinion, philosophy alone can enlighten science and lead to the universal idea. (To the Congress of Science at Bologna , October 31, 19,26, in Discorsi del 1926. Milano, Alpes, 1927, p. 268).

In order to understand the Fascist movement one must first appreciate the underlying spiritual phenomenon in all its vastness and depth. The manifestations of the movement have been of a powerful and decisive nature, but one should go further. In point of fact Italian Fascism has not only been a political revolt against weak and incapable governments who had allowed State authority to decay and were threatening to arrest the progress of the country, but also a spiritual revolt against old ideas which had corrupted the sacred principles of religion, of faith, of country. Fascism, therefore, has been a revolt of the people. (Message to the British people; January 5, 1924, in Messaggi e Proclami, Milano, Libreria d' Italia, 1929, p. 107).

(3) Positive conception of life as a struggle

(4) Struggle is at the origin of all things, for life is full of contrasts: there is love and hatred, white and black, day and night, good and evil; and until these contrasts achieve balance, struggle fatefully remains at the root of human nature. However, it is good for it to be so. Today we can indulge in wars, economic battles, conflicts of ideas, but if a day came to pass when struggle ceased to exist, that day would be tinged with melancholy; it would be a day of ruin, the day of ending. But that day will not come, because history ever discloses new horizons. By attempting to restore calm, peace, tranquility, or. A would be fighting the tendencies of the present period of dynamism. Ore must be prepared for other struggles and for other surprises. Peace will only come when people surrender to a Christian dream of universal brotherhood, when they can hold out hands across the ocean and over the mountains. Personally I do not believe very much in these idealisms, but I do not exclude them for I exclude nothing. (At the Politeama Rossetti, Trieste , September 20, 1920 ; in Discorsi Politici, Milano, Stab. Tipografico del « Popolo d' Italia » , 1921, p. 107).

(5) For me the honor of nations consists in the contribution they have severally made to human civilization. (E. Ludwig, Talks with Mussolini, London, Allen and Unwin, 1932, p. 199)

4. Ethical conception

I called the organization Fasci Italiani Di combat tin onto. This hard metallic name compromised the whole program of Fascism as I dreamed it. Comrades, this is still our program: fight.

Life for the Fascist is a continuous, ceaseless fight, which we accept with ease, with great courage, with the necessary intrepidity. (C n the VIIth anniversary of the Foundation of the Fasci, March 2E, 1926, in Discorsi del 1926, Milano, Alpes, 1927, P. 98).

You touch the core of Fascist philosophy. When recently a Finnish philosopher asked me to expound to him the significance of Fascism in one sentence, I wrote in German: ((We are against the “easy, lift! a. (E. Ludwig: Talks with Mussolini, London, Allen and Unwin, 1932, p. 190).

5. Religious conception

(7) If Fascism were not a creed how could it endow its followers with courage and stoicism only a creed which has soared to the heights of religion can inspire such words as passed the lips, now lifeless alas, of Federico Florio. (Legami di Sangue, in Diuturna, Milano, Alpes, 1930, p. 256).

6. Historical and realistic conception

(8) Tradition certainly is one of the greatest spiritual forces of a people, inasmuch as it is a successive and constant creation of their soul. (Breve Preludio, in Tempi della Rivoluzione Fascista, Milano, Alpes, 1930, P- 13)

(9) Our temperament leads us to appraise the concrete aspect of problems, rather than their ideological or mystical sublimation. Therefore we easily regain our balance. (Aspetti del Dramma, in Diuturna, Milano, Alpes, 1930, p. 86).

Our battle is an ungrateful one, yet it is a beautiful battle since it compels us to count only upon our own forces. Revealed truths we have torn to shreds, dogmas we have spat upon, we have rejected all theories of paradise, we have baffled charlatans white, red, black charlatans who placed miraculous drugs on the market to give a happiness n to mankind. We do not believe in program, in plans, in saints or apostles, above all we believe not in happiness, in salvation, in the Promised Land. (Diuturna, Milano, Alpes, 1930, p. 223).

We do not believe in a single solution, be it economical, political or moral, a linear solution of the problems of life, because of illustrious choristers from all the sacristies life is not linear and can never be reduced to a segment traced by primordial needs. (Navigare necesse, in Diuturna, Milano, Alpes, 1930, p. 233).

(10) We are not and do not wish to be motionless mummies, with faces perpetually turned towards the same horizon, nor do we wish to shut ourselves up within the narrow hedges of subversive bigotry, where formulas, like prayers of a professed religion, are muttered mechanically. We are men, living men, who wish to give our contribution, however 'modest, to the creation of history. (Audacia, in Diu turna, Milano, Alpes, 1930, p. ')

We uphold moral and traditional values which Socialism neglects or despises; but, above all, Fascism has a horror of anything implying an arbitrary mortgage on the mysterious future. (Dopo due anni, in Diuturna, Milano, Alpes, 1930, p. 242).

In spite of the theories of conservation and renovation, of tradition and progress expounded by the right and the left, we do not cling desperately to the past as to a last board of salvation: yet we do not dash headlong into the seductive mists of the future. (Breve preludio, in Diuturna, Milano, Alpes, 1930, p. 14). `negation, eternal immobility, mean damnation. I am all for motion. I am, one who marches on (E. Ludwig, Talks with Mussolini, Lot Jon, Allen and Unwin, 1932, p. 203).

7. The individual and liberty

(11) We were the first to state, in the face of demo liberal individualism, that the individual exists only in so far as he is within the State and subjected to the requirements of the state and that, as civilization assumes aspects which grow more and more complicated, individual freedom becomes more and more restricted. (To the General staff Conference of Fascism, in Discorsi del 1929, Milano, Alpes, 1930, p. 280).

The sense of the state grows within the consciousness of Italians, for they feel that the state alone is the irreplaceable safeguard of their unit and independence; that the state alone represents continuity into the future of their stock and their history. (Message on the VIIth all anniversary, October 25, 1929, Discorsi del 1929, Milano, Alpes, 1930, p. 3oo).

If, in the course of the past eight years, we have made such astounding progress, you may well think suppose and foresee that in the course of the next fifty or eighty years the onward trend of Italy , of this Italy we feel to be so powerful, so full of vital fluid, will really be grandiose. It will be so especially if concord lasts among citizens, if the State continues to be sole arbitrator in political and social conflicts, if all remains within the state and nothing outside the State, because it is impossible to conceive any individual existing outside the State unless he be a savage whose home is in the solitude of she sandy desert. (Speech before the Senate, May 12, 1928, in Discorsi del 1928, Milano, Alpes, 1929, p. 109).

Fascism has restored to the State its sovereign functions by claiming its absolute ethical meaning, against the egotism of classes and categories; to the Government of the state, which was reduced to a mere instrument of electoral assemblies, it has restored dignity, as representing the personality of the state and its power of Empire. It has rescued State administration from the weight of factions and party interests (To the council of state, December 22, 1928, in Discorsi Del 1928, Milano, Alpes, 1929 p.328).

(12) Let no one think of denying the moral character of Fascism. For I should be ashamed to speak from this tribune if I did not feel that I represent the moral and spiritual powers of the state. What would the state be if it did not possess a spirit of its own, and a morality of its own, which lend power to the laws in virtue of which the state is obeyed by its citizens?

The Fascist state claims its ethical character: it is Catholic but above all it is Fascist, in fact it is exclusively and essentially Fascist. Catholicism completes Fascism, and this we openly declare, but let no one think they can turn the tables on us, under cover of metaphysics or philosophy. (To the Chamber of Deputies, May 13, 1929, in Discorsi del 1929, Milano, Alpes, 1930, p. 182).

A State which is fully aware of its mission and represents a people which are marching on; a state which necessarily transforms the people even in their physical aspect. In order to be something more than a mere administrator, the State must utter great words, expound great ideas and place great problems before this people (Di scorsi del 1929, Milano, Alpes, 1930, p. 183).

(13) The concept of freedom is not absolute because nothing is ever absolute in life. Freedom is not a right, it is a duty. It is not a gift, it is a conquest; it is not equality, it is a privilege. The concept of freedom changes with the passing of time. There is a freedom in times of peace which is not the freedom of times of war. There is a freedom in times of prosperity which is not a freedom to be allowed in times of poverty. (Fifth anniversary of the foundation of the Fasci di Contbattimento, March 24, 1924, in La nuova politica dell'Italia, vol. III, Milano, Alpes, 1925, p. 30).

In our state the individual is not deprived of freedom. In fact, he has greater liberty than an isolated man, because the state protects him and he is part of the State. Isolated man is without defence. (E. Ludwig, Talks with Mussolini, London, Allen and Unwin, 1932, P. 129).

(14) Today we may tell the world of the creation of the powerful united State of Italy, ranging from the Alps to Sicily; this State is expressed by a well-organized, centralized, Unitarian democracy, where people circulate at case. Indeed, gentlemen, you admit the people into the citadel of the State and the people will defend it, if you close them out, the people will assault it. (speech before the Chamber of Deputies, May 26, 1927 , in Discorsi del 1927, Milano, Alpes, 1928, p. 159).

In the Fascist regime the unity of classes, the political, social and coral unity of the Italian people is realized within the state, and only within the Fascist state. (speech before the Chamber of Deputies, December 9, 1928 , in Discorsi del 1928, Milano, Alpes, 1929, p. 333).

8. Conception of a corporative state

(15) We have created the united state of Italy remember that since the Empire Italy had not been a united state. Here I wish to reaffirm solemnly our doctrine of the State. Here I wish to reaffirm with no weaker energy, the formula I expounded at the scala in Milan everything in the state, nothing against the State, nothing outside the state. (speech before the Chamber of Deputies, May 26, 1927 , Discorsi del 1927, Milano, Alpes, 1928, p. t57).

(16) We are, in other words, a state which controls all forces acting in nature. We control political forces, we control moral forces we control economic forces, therefore we are a full-blown Corporative state. We stand for a new principle in the world, we stand for sheer, categorical, definitive antithesis to the world of democracy, plutocracy, free-masonry, to the world which still abides by the fundamental principles laid down in 1789. (Speech before the new National Directory of the Party, April 7, 1926, in Discorsi del 1926, Milano, Alpes, 1927, p. 120).

The Ministry of Corporations is not a bureaucratic organ, nor does it wish to exercise the functions of syndical organizations which are necessarily independent, since they aim at organizing, selecting and improving the members of syndicates. The Ministry of Corporations is an institution in virtue of which, in the centre and outside, integral corporation becomes an accomplished fact, where balance is achieved between interests and forces of the economic world. Such a glance is only possible within the sphere of the state, because the state alone transcends the contrasting interests of groups and individuals, in view of co-coordinating them to achieve higher aims. The achievement of these aims is speeded up by the fact that all economic organizations, acknowledged, safeguarded and supported by the Corporative State, exist within the orbit of Fascism; in other terms they accept the conception of Fascism in theory and in practice. (speech at the opening of the Ministry of Corporations, July 31, 1926, in Discorsi del 1926, Milano, Alpes, 1927, p. 250).

We have constituted a Corporative and Fascist state, the state of national society, a State which concentrates, controls, harmonizes and tempers the interests of all social classes, which are thereby protected in equal measure. Whereas, during the years of demo-liberal regime, labour looked with diffidence upon the state, was, in fact, outside the State and against the state, and considered the state an enemy of every day and every hour, there is not one working Italian today who does not seek a place in his Corporation or federation, who does not wish to be a living atom of that great, immense, living organization which is the national Corporate State of Fascism. (On the Fourth Anniversary of the March on Rome, October 28, 1926, in Discorsi del 1926, Milano, Alpes, 1927, p. 340).

9. Democracy

(17) The war was revolutionary, in the sense that with streams of blood it did away with the century of Democracy, the century of number, the century of majorities and of quantities. (Da the pane va it Mondo, in Tempi della Rivoluzione Fascista, Milano, Alpes, 1930, p. 37)

(18) Cf. note 13.

(19) Race: it is a feeling and not a reality; 95 %, a feeling. (E. Ludwig, Talks with Mussolini, London, Allen and Unwin, 1932, p. 75).

10. Conception of the state

(20) A nation exists inasmuch as it is a people. A people rise inasmuch as they are numerous, hard working and well regulated. Power is the outcome of this threefold principle. (To the General Assembly of the Party, March lo, 1929, in Discorsi del 1929, Milano, Alpes, 1930, p. 24).

Fascism does not deny the State; Fascism maintains that a civic society, national or imperial, cannot be conceived unless in the form of a State (Stab, anti-Slato, Fascismo, in Tempi della Rivoluzione Fascista, Milano, Alpes, 1930, p. 94).
For us the Nation is mainly spirit and not only territory. There are States which owned immense territories and yet left no trace in the history of mankind. Neither is it a question of number, because there have been, in history, small, microscopic States, which left immortal, imperishable documents in art and philosophy.


The greatness of a nation is the compound of all these virtues and conditions. A nation is great when the power of the spirit is translated into reality. (Speech at Naples, October 24, 1922, in Discorsi della Rivoluzione, Milano, Alpes, 1928, p. 103). We wish to unity the nation within the sovereign State, which is above everyone arid can afford to be against everyone, since it represents the moral continuity of the nation in history. Without the State there is no nation. There are, merely. human aggregations. subject to all the disintegration's which history may inflict upon them. (Speech before the National Council of the Fascist Party, August 8, 1924, in La Nuova Politica dell'Italia, vol. III; Milano, Alpes, 1928, p. 269).

Dynamic reality

(21) I believe that if a people wish to live they should develop a will to power, otherwise they vegetate, live miserably and become prey to a stronger people, in whom this will to power is developed to a higher degree. (Speech to the Senate, May 28, 1926).

(22) It is Fascism which has refashioned the character of the Italians, removing impurity from our souls, tempering us to all sacrifices, restoring the true aspect of strength and beauty to our Italian face. (Speech delivered at Pisa , May 25, 1926 , in Discorsi del 1926, Milano, Alpes, 1927, p. 193).

It is not out of place to illustrate the intrinsic character and profound significance of the Fascist Levy. It is not merely a ceremony, but a very important stage in the system of education and integral preparation of Italian men which the Fascist revolution considers one of the fundamental duties of the State: fundamental indeed, for if the State does not fulfill this duty or in any way accepts to place it under discussion, the State merely and simply forfeits its right to exist. (Speech before the Chamber of Deputies, May 28, 1928, in Discorsi del 1928, Milano, Alpes, 1929, p. 68).
http://www.worldfuturefund.org/wffma.../mussolini.htm


Mussolini, Doctrine of Fascism (1932)

Quote:
The following selection is an excerpt from an article on Fascism which Mussolini wrote (with the help of Giovanni Gentile) for the Enciclopedia Italiana in 1932. Following this selection I have included two versions of the Fascist Decalogue (1934 and 1938) and brief passage on myth from one of Mussolini's speeches of 1922.

* * * * *

(i) Fundamental Ideas

1. Like every sound political conception, Fascism is both practice and thought; action in which a doctrine is immanent, and a doctrine which, arising out of a given system of historical forces, remains embedded in them and works there from within. . . . There is no concept of the State which is not fundamentally a concept of life; philosophy or intuition, a system of ideas which develops logically or is gathered up into a vision or into a faith, but which is always, at least virtually, an organic conception of the world.

2. Thus Fascism could not be understood in many of its practical manifestations as a party organization, as a system of education, as a discipline, if it were not always looked at in the light of its whole way of conceiving life, a spiritualized way. The world see through Fascism is not this material world which appears on the surface, in which man is an individual separated from all others and standing by himself. . . . The man of Fascism is an individual who is nation and fatherland, which is a moral law, binding together individuals and the generations into a tradition and a mission, suppressing the instinct for a life enclosed within the brief round of pleasure in order to restore within duty a higher life free from the limits of time and space; a life in which the individual, through the denial of himself, through the sacrifice of his own private interests, through death itself, realizes that completely spiritual existence in which his value as a man lies.

3. Therefore it is a spiritualized conception, itself the result of the general reaction of modern times against the flabby materialistic positivism of the nineteenth century. . . . Fascism desires an active man, one engaged in activity with all his energies: it desires a man conscious of the difficulties that exist in action and ready to face them. It conceives of life as a struggle, considering that it behooves man to conquer for himself that life truly worthy of him, creating first of all in himself the instrument (physical, moral, intellectual) in order to construct it. Thus for the single individual, thus for the nation, thus for humanity. . . .

4. This positive conception of life is clearly an ethical conception. It covers the whole of reality, not merely the human activity which controls it. No action can be divorced from moral judgment; there is nothing in the world which can be deprived of the value which belongs to everything in its relation to moral ends. Life, therefore, as conceived by the Fascist, is serious, austere, religious: the whole of it is poised in a world supported by the moral and responsible forces of the spirit. The Fascist disdains the "comfortable" life.

5. Fascism is a religious conception in which man is seen in his immanent relationship with a superior law and with an objective Will that transcends the particular individual and raises him to conscious membership in a spiritual society. Whoever has seen in the religious politics of the Fascist regime nothing but mere opportunism has not understood that Fascism besides being a system of government is also, and above all, a system of thought.

6. Fascism is a historical conception, in which man is what he is only in so far as he works with the spiritual process in which he finds himself, in the family or social group, in the nation and in the history in which all nations collaborate. From this follows the great value of tradition, in memories, in language, in customs, in the standards of social life. Outside history man is nothing. Consequently Fascism is opposed to all the individualistic abstractions of a materialistic nature like those of the eighteenth century; and it is opposed to all Jacobin utopias and innovations. It does not consider that "happiness" is possible upon earth, as it appeared to be in the desire of the economic literature of the eighteenth century, and hence it rejects all theological theories according to which mankind would reach a definitive stabilized condition at a certain period in history. . . .

7. Against individualism, the Fascist conception is for the State; and it is for the individual in so far as he coincides with the State, which is the conscience and universal will of man in his historical existence. It is opposed to classical Liberalism, which arose form the necessity of reacting against absolutism, and which brought its historical purpose to an end when the State was transformed into the conscience and will of the people. Liberalism denied the State in the interests of the particular individual; Fascism reaffirms the State as the true reality of the individual. And if liberty is to be the attribute of the real man, and not of that abstract puppet envisaged by individualistic Liberalism, Fascism is for liberty. And for the only liberty which can be a real thing, the liberty of the State and of the individual within the State. Therefore, for the Fascist, everything is in the State, and nothing human or spiritual exists, much less has value, outside the State. In this sense Fascism is totalitarian, and the Fascist State, the synthesis and unity of all values, interprets, develops and gives strength to the whole life of the people.

8. Outside the State there can be neither individuals nor groups (political parties, associations, syndicates, classes). Therefore Fascism is opposed to Socialism, which confines the movement of history within the class struggle and ignores the unity of classes established in one economic and moral reality in the State; and analogously it is opposed to class syndicalism. . . .

9. Individuals form classes according to the similarity of their interests, they form syndicates according to differentiated economic activities within these interests; but they form first, and above all, the State, which is not to be thought of numerically as the sum-total of individuals forming the majority of the nation. And consequently Fascism is opposed to Democracy, which equates the nation to the majority, lowering it to the level of that majority. . . .

10. It is not the nation that generates the State, as according to the old naturalistic concept which served as the basis of the political theories of the national States of the nineteenth century. Rather the nation is created by the State, which gives to the people, conscious of its own moral unity, a will and therefore an effective existence. . . .

11. The nation as the State is an ethical reality which exists and lives in so far as it develops. To arrest its development is to kill it. Therefore the State is not only the authority which governs and gives the form of laws and the value of spiritual life to the wills of individuals, but it is also a power that makes its will felt abroad, making it known and respected, in other words, demonstrating the fact of its universality in all the necessary directions of its development. It is consequently organization and expansion, at least virtually. Thus it can be likened to the human will which knows no limits to its development and realizes itself in testing its own limitlessness.

12. The Fascist State, the highest and most powerful form of personality, is a force, but a spiritual force, which takes over all the forms of the moral and intellectual life of man. . . . It is the form, the inner standard and the discipline of the whole person; it saturates the will as well as the intelligence. Its principle, the central inspiration of the human personality living in the civil community, pierces into the depths and makes its home in the heart of the man of action as well as of the thinker, of the artist as well as of the scientist: it is the soul of the soul.

13. Fascism, in short, is not only the giver of laws and the founder of institutions, but the educator and promoter of spiritual life. It wants to remake, not the forms of human life, but its content, man, character, faith. And to this end it requires discipline and authority that can enter into the spirits of men and there govern unopposed. Its sign, therefore, is the Lictors' rods, the symbol of unity, of strength and justice.

(ii) Political and Social Doctrine

1. . . . Fascism was not given out to the wet nurse of a doctrine elaborated beforehand round a table: it was born of the need for action; it was not a party, but in its first two years it was a movement against all parties. The name which I gave to the organization defined its characteristics. Nevertheless, whoever rereads, in the now crumpled pages of the time, the account of the constituent assembly of the Fasci Italiani di Combattimento will not find a doctrine, but a series of suggestions, of anticipations, of admonitions, which when freed from the inevitable vein of contingency, were destined later, after a few years, to develop into a series of doctrinal attitudes which made of Fascism a self-sufficient political doctrine able to face all others, both past and present. . . .

2. . . . Fascism is today clearly defined not only as a regime but as a doctrine. And I mean by this that Fascism today, self-critical as well as critical of other movements, has an unequivocal point of view of its own, a criterion, and hence an aim, in face of all the material and intellectual problems which oppress the people of the world.

3. Above all, Fascism, in so far as it considers and observes the future and the development of humanity quite apart from the political considerations of the moment, believes neither in the possibility nor in the utility of perpetual peace. It thus repudiates the doctrine of Pacifism -- born of a renunciation of the struggle and an act of cowardice in the face of sacrifice. war alone brings up to their highest tension all human energies and puts the stamp of nobility upon the peoples who have the courage to meet it. All other trials are substitutes, which never really put a man in front of himself in the alternative of life and death. . . .

6. After Socialism, Fascism attacks the whole complex of democratic ideologies and rejects them both in their theoretical premises and in their applications or practical manifestations. fascism denies that the majority, through the mere fact of being a majority, van rule human societies; it denies that this majority can govern by means of a periodical consultation; it affirms the irremediable, fruitful and beneficent inequality of men, who cannot be leveled by such a mechanical and extrinsic fact as universal suffrage. . . . Democracy is a regime without a king, but with very many kings, perhaps more exclusive, tyrannical and violent than one king even though a tyrant. . . .

9. . . . The theory of Fascist authority has nothing to do with the police State. A party that governs a nation in a totalitarian way is a new fact in history. References and comparisons are not possible. Fascism takes over from the ruins of Liberal Socialistic democratic doctrines those elements which still have a living value. It preserves those that can be called the established facts of history, it rejects all the rest, that is to say the idea of a doctrine which holds good for all times and all peoples. If it is admitted that the nineteenth century has been the century of Socialism, Liberalism and Democracy, it does not follow that the twentieth must also be the century of Liberalism, Socialism and Democracy. Political doctrines pass; peoples remain. It is to be expected that this century may be that of authority, a century of the "Right," a Fascist century. If the nineteenth was the century of the individual it may be expected that this one may be the century of "collectivism" and therefore the century of the State. . . . The doctrine itself, therefore, must be, not words, but an act of life. hence, the pragmatic veins in Fascism, its will to power, its will to be, its attitude in the face of the fact of "violence" and of its own courage.

11. . . . In the Fascist State the individual is not suppressed, but rather multiplied, just as in a regiment a soldier is not weakened but multiplied by the number of his comrades. The Fascist State organizes the nation, but it leaves sufficient scope to individuals; it has limited useless or harmful liberties and has preserved those that are essential. It cannot be the individual who decides in this matter, but only the State.

12. The Fascist State does not remain indifferent to the fact of religion in general and to that particular positive religion which is Italian Catholicism. The State has no theology, but it has an ethic. . . . The Fascist State does not create a "God" of its own, as Robespierre once, at the height of the Convention's foolishness, wished to do; nor does it vainly seek, like Bolshevism, to expel religion from the minds of men. Fascism respects the God of the ascetics, of the saints, of the heroes, and also God as seen and prayed to by the simple and primitive heart of the people.

13. The Fascist State is a will to power and to government. In it the tradition of Rome is an idea that has force. In the doctrine of Fascism Empire is not only a territorial, military or mercantile expression, but spiritual or moral. Once can think of an empire, that is to say a nation that directly or indirectly leads other nations, without needing to conquer a single square kilometer of territory. For Fascism the tendency to Empire, that is to say, to the expansion of nations, is a manifestation of vitality; its opposite, staying at home, is a sign of decadence: peoples who rise or re-rise are imperialist, people who die are renunciatory. Fascism is the doctrine that is most fitted to represent the aims, the states of mind, of a people, like the Italian people, rising again after many centuries of abandonment of slavery to foreigners. . . . If every age has its own doctrine, it is apparent from a thousand signs that the doctrine of the present age is Fascism. That is is a doctrine of life is shown by the fact that it has resuscitated a faith. That this faith has conquered minds is proved by the fact that Fascism has had its dead and its martyrs.

[Source: Michael Oakeshott, The Social and Political Doctrines of Contemporary Europe (Cambridge: Cambridge University Press, 1939), in Carl Cohen, ed., Communism, Fascism and Democracy: The Theoretical Foundations 2nd. ed. (New York: Random House, 1972), pp.328-339.]

* * * * *

The Ten Commandments of the Italian solider under Mussolini provide the essence of the philosophy of fascism. The following two versions of these commandments constitute one of the best examples of the way in which a political philosophy may be translated into maxims of individual conduct.

The Fascist Decalogue

(i)

1. Know that the Fascist and in particular the soldier, must not believe in perpetual peace.
2. Days of imprisonment are always deserved.
3. The nation serves even as a sentinel over a can of petrol.
4. A companion must be a brother, first, because he lives with you, and secondly because he thinks like you.
5. The rifle and the cartridge belt, and the rest, are confided to you not to rust in leisure, but to be preserved in war.
6. Do not ever say "The Government will pay . . . " because it is you who pay; and the Government is that which you willed to have, and for which you put on a uniform.
7. Discipline is the soul of armies; without it there are no soldiers, only confusion and defeat.
8. Mussolini is always right.
9. For a volunteer there are no extenuating circumstances when he is disobedient.
10. One thing must be dear to you above all: the life of the Duce.
(1934)

(ii)

1. Remember that those who fell for the revolution and for the empire march at the head of your columns.
2. Your comrade is your brother. He lives with you, thinks with you, and is at your side in the battle.
3. Service to Italy can be rendered at all times, in all places, and by every means. It can be paid with toil and also with blood.
4. The enemy of Fascism is your enemy. Give him no quarter.
5. Discipline is the sunshine of armies. It prepares and illuminates the victory.
6. He who advances to the attack with decision has victory already in his grasp.
7. Conscious and complete obedience is the virtue of the Legionary.
8. There do not exist things important and things unimportant. There is only duty.
9. The Fascist revolution has depended in the past and still depends on the bayonets of its Legionaries.
10. Mussolini is always right.
(1938)

* * * * *

Benito Mussolini On Myth

We have created our myth. The myth is a faith, it is passion. It is not necessary that it shall be a reality. It is a reality by the fact that it is a good, a hope, a faith, that it is courage. Our myth is the Nation, our myth is the greatness of the Nation! And to this myth, to this grandeur, that we wish to translate into a complete reality, we subordinate all the rest.

[Source: From Herman Finer, Mussolini's Italy (1935), p. 218; quoted in Franklin Le Van Baumer, ed., Main Currents of Western Thought (New Haven: Yale University Press, 1978), p.748.]
http://www.historyguide.org/europe/duce.html
__________________
Only force rules. Force is the first law - Adolf H. http://erectuswalksamongst.us/ http://tinyurl.com/cglnpdj Man has become great through struggle - Adolf H. http://tinyurl.com/mo92r4z Strength lies not in defense but in attack - Adolf H.
 
Old October 1st, 2011 #44
RickHolland
Wolves don't serve masters
 
RickHolland's Avatar
 
Join Date: Apr 2009
Location: Soviet Union
Posts: 5,037
Blog Entries: 1
RickHolland
Default

Modern History Sourcebook:
Benito Mussolini:
What is Fascism, 1932


http://www.fordham.edu/halsall/mod/m...ni-fascism.asp

http://www.worldfuturefund.org/wffma.../mussolini.htm


FASCISMO

http://www.falange.net/

http://specialcollections.library.wi...ism/index.html

http://www.littorio.com/home-i.htm

http://www.artedellamedaglia.it/index.html

http://www.gabrieledannunzio.net/english/index.htm

http://www.juliusevola.com/

http://www.juliusevola.net/


MUSSOLINI

http://www.ilduce.net/

http://go.to/mussolini


LOJAS

http://www.militariacollection.com/

http://www.ilventennio.it/index.php

http://www.mussolini.net/en

http://www.stevenbooks.co.uk/


Movimentos de inspiraçao fascista

http://www.metaxas-project.com/

http://fascists.zxq.net/index.html

http://www.oswaldmosley.com/

http://www.jrbooksonline.com/


Nacional-Socialismo


http://nazi-lauck-nsdapao.com/

http://theansp.us/index2.html

http://der-fuehrer.org/

http://www.nazi.org.uk/

http://www.thule-italia.net/

http://www.galleria.thule-italia.com/

http://stromerhannes.thule-italia.org/

http://www.hcpetersen.de/wilhelmpetersen/

http://www.der-stuermer.org/

http://www.earthstation1.com/Germany_WWII.html

http://www.axishistory.com/

http://www.calvin.edu/academic/cas/gpa/

http://www.jrbooksonline.com/

http://www.aime-et-sers.com/

http://www.dataphone.se/~ms/speer/welcom.htm

http://www.museum-arno-breker.org/de...-museum-0.html

http://www.art-smagon.com/

http://forum.axishistory.com/
__________________
Only force rules. Force is the first law - Adolf H. http://erectuswalksamongst.us/ http://tinyurl.com/cglnpdj Man has become great through struggle - Adolf H. http://tinyurl.com/mo92r4z Strength lies not in defense but in attack - Adolf H.

Last edited by RickHolland; October 2nd, 2011 at 02:26 PM.
 
Old November 7th, 2011 #45
RickHolland
Wolves don't serve masters
 
RickHolland's Avatar
 
Join Date: Apr 2009
Location: Soviet Union
Posts: 5,037
Blog Entries: 1
RickHolland
Default



FÓRMULA DO NACIONALISMO-LUSITANO DE 1923

Esta Fórmula de Adesão ao Nacionalismo Lusitano foi cunhada em 1923 e reimpressa em 1924 num Jornal que se chamava A Ditadura, na então muito democrática 1ª República.

Em 1923, era assim:

FÓRMULA DE ADESÃO AO NACIONALISMO-LUSITANO

«Como Português:

«QUERO que o Governo da Nação seja forte e nacional e se liberte das sociedades secretas, das clientelas políticas, dos bandos de especulação, responsáveis pela crise nacional; que seja assistido da representação directa das forças sociais da Nação, transformando o actual sistema na representação nacional das forças sociais,municipais e profissões organizadas; que sejam livres e privilegiados a Família, a Corporação, o Município, a Igreja; que o exército seja fortalecido e dignificado para melhor defesa nacional; que a propriedade seja protegida nos seus direitos e obrigada a cumprir os seus deveres para com a Nação e em especial para com os trabalhadores.

Para que Portugal se reorganize sobre estas bases Portuguesas.

«COMPROMETO-ME a não votar em deputados políticos, representantes de partidos e facções; elegerei apenas os representantes directos das várias forças sociais organizadas (Municípios, Corporações, Igreja Católica, etc);

« COMPROMETO-ME, a colocar-me ao lado de qualquer Governo Português contra a agressão estrangeira ou o bolchevismo. COMPROMETO-ME a obedecer aos chefes do NACIONALISMO LUSITANO na prática de todos os actos de serviço nacional voluntário, que me forem determinados, no sentido de suprir a acção do Governo quando ela falte, ou de o auxiliar na realização do interesse comum;

« COMPROMETO-ME a combater sempre e em toda a parte os bandos, seitas e partidos, inimigos internos da Nação, assim como os inimigos externos, fazendo toda a propaganda para que os Portugueses venham a organizar-se em volta dos princípios do NACIONALISMO LUSITANO contra as oligarquias políticas e plutocráticas que tiranizam a Nação;

EM ESPECIAL ME PROPONHO pelas cinco quinas sagradas da bandeira não descansar enquanto não trouxer ao serviço nacional pelo menos mais cinco voluntários conscientes desta doutrina pelos quais respondo.

«PROTESTO SOLENEMENTE não me mover ilícita ambição, não se destinando o NACIONALISMO LUSITANO à posse do Poder mas sim ao Serviço Nacional, à libertação e à organização acima dos regimes e classes dos Portugueses de trabalho e consciência que uma vez organizada e libertos decidirão os seus destinos».

Fonte:
Portugal, Lisboa,n.º2, 9-VI-1923,p.1 (republicado in A Ditadura, Lisboa, ano I, n.º9, 4-I-1924,p.2).



O integralismo lusitano nas origens do salazarismo

http://analisesocial.ics.ul.pt/docum...ze0Sv59SR4.pdf


A Cruzada Nacional D. Nuno Álvares Pereira e as origens do Estado Novo (1918-1938)

http://analisesocial.ics.ul.pt/docum...wv2Fi36ZC7.pdf


Sindicalismo e integralismo: o jornal «A Revolução» (1922-23)

http://analisesocial.ics.ul.pt/docum...cv8Kb60NO7.pdf


"O Fascismo e a Crise da Iª República: Os Nacionalistas Lusitanos (1923-25)"

http://www.penelope.ics.ul.pt/indice..._06_APinto.pdf





As identidades nacionais nos regimes ditatoriais: o caso da romanità na Itália fascista e o reaportuguesamento salazarista

http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/6628.pdf


LEGIÃO PORTUGUESA

http://www.oliveirasalazar.org/downl...B84CF46C0B.pdf


O Nacionalismo nos sec XVIII, XIX e XX

http://www.ipv.pt/millenium/Millenium36/7.pdf


As origens da democracia cristã em Portugal e o salazarismo


http://analisesocial.ics.ul.pt/docum...ho6Op62BU0.pdf

http://analisesocial.ics.ul.pt/docum...ia5Vz29KY5.pdf


JACINTO CÂNDIDO DA SILVA (1857-1926): O NACIONALISMO CATÓLICO ATRAVÉS
DAS MEMÓRIAS DE UM DOS SEUS FUNDADORES


http://repositorio.ucp.pt/bitstream/..._NunoOlaio.pdf


O Catolicismo e a Construção da Identidade Nacional

http://cepen.org/portaldacidadania/2...dade-nacional/


Integralismo Lusitano - uma síntese

http://semiramis.weblog.com.pt/arquivo/072884.html


O Integralismo Lusitano


http://www.causanacional.net/INTEGRALISMO.pdf


A formação do integralismo lusitano (1907-17)

http://analisesocial.ics.ul.pt/docum...qf0Ky91XX0.pdf


a fórmula de adesão ao Integralismo, publicada no jornal "a Monarquia" a 5 de Abril de 1923:

Integralismo Lusitano

Por encargo da Junta Central, tenho a honra de apresentar aos nossos camaradas o que será a fórmula de adesão ao Integralismo, no próximo momento do seu pleno regresso à actividade de propaganda.
– José Pequito Rebelo

Adesão ao Integralismo

I – Creio em Portugal, no seu passado e no seu futuro. O seu interesse e a sua honra são a minha lei e a lei superior de todos os indivíduos e instituições portuguesas.
Creio na Nação e na Tradição, na Grei e na Lei.

II – É essencial ao interesse e à honra nacional a existência de um Rei hereditário, guardando no seu poder próprio a tradição e governando os interesses gerais do País assistido pela consulta da Representação Nacional. O Rei é livre.

III – São livres na Nação, sob a autoridade protectora do Rei e sobre o fundamento da Família e da Propriedade Cristã, os Municípios, as Províncias e as Corporações. Todo o país, na sua administração, na sua riqueza, no seu Espírito, deve estar organizado em corporações e federações constituídas segundo interesses de produção e não segundo classes económicas.

IV – A anti-nação é formada pelos maçãos, pelos políticos, pelos plutocratas, pelos estrangeiros, que nenhuma parte devem ter no Governo. Contra eles, o Rei se apoiará na Nação e na nobreza, que será o escol moral, hereditário e aberto de todas as profissões, exercendo funções de serviço e interesse público com o prémio de certas honras e regalias.

V – A Representação Nacional é formada pelos procuradores dos corpos organizados da Nação (Municípios e Corporações).

VI – A Igreja Católica, reinvestida em toda a sua liberdade, direitos e magistério espiritual, será reconhecida como Protectora da Nacionalidade e da Civilização.

VII – O Rei legítimo é aquele que indicam as leis da Sucessão e aclamarem as Cortes Gerais dos Municípios e das Corporações. É condição essencial da legitimidade que o Rei esteja identificado com a Lei, com os princípios da Monarquia Portuguesa, repudiando os princípios estrangeiros.

VIII – O génio da Nação fez, a Monarquia e a restaurará primeiro nos espíritos e na vida social, e depois, através da acção nacional, na vida do Estado. A proclamação, sob o nome de Monarquia, do Constitucionalismo será nefasta à Restauração Nacional. Quanto mais forte e próspera estiver a Nação, mais facilmente expulsará a República que tira forças da ruína nacional.

IX – A República (como o foi o Constitucionalismo) é o sacrilégio, o roubo e o assassinato, e também é o poder. É dever nacional combater na República o sacrilégio, o roubo e o assassinato e substituir o seu poder de facto pelo poder das instituições legítimas. A queda da República deve, porém, ser precedida pelo advento da Monarquia nos espíritos, na vida social e na acção nacional. A queda da República far-se-á como obra espontânea da Nação, pelo braço dos portugueses que forem os seus mandatários, num momento de evidente necessidade de salvação pública.

http://hispanismo.org/portugal/1151-...sintese-2.html


O INTEGRALISMO LUSITANO E A CARTILHA MONÁRQUICA

http://gib.cm-viana-castelo.pt/docum...0105120508.pdf
__________________
Only force rules. Force is the first law - Adolf H. http://erectuswalksamongst.us/ http://tinyurl.com/cglnpdj Man has become great through struggle - Adolf H. http://tinyurl.com/mo92r4z Strength lies not in defense but in attack - Adolf H.

Last edited by RickHolland; November 7th, 2011 at 06:51 PM.
 
Old November 7th, 2011 #46
RickHolland
Wolves don't serve masters
 
RickHolland's Avatar
 
Join Date: Apr 2009
Location: Soviet Union
Posts: 5,037
Blog Entries: 1
RickHolland
Default



Revista publicada entre 1914 e 1938 e dirigida, entre outros, por Alberto Monsaraz, António Sardinha e Manuel Múrias. A partir da 2.a série (1922), como propriedade da Sociedade Integralista Editora, e com a designação de "Revista de Cultura Nacionalista", assume-se como órgão do integralismo lusitano, defendendo as suas linhas mestras, nomeadamente a restauração de uma ordem monárquica e católica, estando, assim, ligada pelo seu programa a outras publicações contemporâneas, nomeadamente A Águia. A capa da revista apresenta, no canto superior esquerdo, a imagem de uma águia, acompanhada da divisa "Pola lei e pola grei"; e, partir do terceiro número da 3.a série, a seguinte epígrafe de António Sardinha: "O nosso fim é salientar a urgência de condicionar toda a ação reconstructora por um labor constante de retificação mental". No artigo que inaugura a 3.a série, "Adiante, por sôbre os cadáveres!", António Sardinha inclui o problema português numa crise de ordem política e social europeia, que teve na sua origem o desenvolvimento do individualismo e do intelectualismo. Nesse parapeito do abismo onde se encontra suspensa a Europa, só se apresentam, para o autor, duas soluções: ou rolar num caos primitivo e confuso, ou apelar para a restauração do governo por uma elite. Resultado aristocrático de uma "seleção positiva" (posto que "a seleção pretensamente igualitária da democracia só gerou o predomínio das cegas fôrças materiais."), essa elite encetaria uma "cruzada da salvação nacional" baseada na restauração da "ordem christã", pela qual "o homem, de quantidade errática e centrífuga, se transforme em parcela aditiva, em fecundo elemento ativo." (Nação Portuguesa, 3.a série, n.° 1). Ao longo de mais de vinte anos de publicação, recebeu colaboração literária, doutrinária, filosófica e política de numerosos autores, como, por exemplo, Afonso Lopes Vieira, Alberto de Monsaraz, António Sardinha, Manuel Múrias, Feliciano Ramos, José Osório de Oliveira, Carlos Malheiro Dias, Castelo Branco Chaves, Fernando Pires de Lima, Augusto da Costa, Bettencourt Rodrigues, Cabral Moncada, Silva Rego, Caetano Beirão, Henrique Galvão, Fernando Campos, Hipólito Raposo, Pequito Rebelo, Marcello Caetano, Mussolini.

http://www.infopedia.pt/$nacao-portuguesa



O que nós queremos - monarquia orgânica, tradicionalista, anti-parlamentar

- Programa Integralista -

(1914)


As indicações que seguem não pretendem ser um programa, triste vocábulo já agora desacreditado pela falência dos velhos e dos novos partidos.

Nelas vão apenas incluídos determinados pontos de doutrina e anunciadas algumas realizações práticas.

Por uns e outros elementos, a nossa tendência se revela e francamente se define a nossa atitude.

Este índice, embora incompleto, dentro do qual encontram expressão a nossa actividade e propaganda em prol de uma Monarquia tradicional, servirá para reunir à volta de uma aspiração honesta e consciente, a dedicação daqueles que, já descrentes da mentira democrático-parlamentar, ainda confiam no futuro da sua Pátria e na grandeza do seu destino.

Os outros, tímidos, cépticos, comodistas ou indiferentes, todos ligados à numerosa família dos covardes de inteligência - esses não têm aqui que fazer, nem devem pertencer à terra em que nasceram.


Quando à nossa causa tiver concorrido o esforço de todas as competências que neste país estão connosco, será então oportuno tornar conhecido o plano completo e sistemático de acção e estudo que constituirá toda a razão de ser de uma orientação política nacional que já agora podemos denominar Integralismo Lusitano.


A) Tendência Concentradora (Nacionalismo) Poder pessoal do Rei: Chefe de Estado.


1) Função governativa supremaor ministros livremente escolhidos, especializados tecnicamente, responsáveis perante o Rei;

por conselhos técnicos também especializados (parte dos membros de nomeação régia, parte representando os vários corpos, com função consultiva).


2) Função coordenadora, fiscalizadora e supletória das autarquias locais, regionais, profissionais e espirituais; nomeação dos governadores das Províncias e outros fiscais régios da descentralização.

3) Funções executivas, fazendo parte da função governativa suprema, que no entanto cumpre sublinhar como sendo a forma de acção mais característica e importante do ofício régio:

defesa diplomática;

defesa militar;

gestão financeira geral;

chefia do poder judicial; função moderadora.


B) Tendência Descentralizadora:


1) Aspecto Económico:

Empresa: regime e garantia da propriedade, vinculação (homestead), cadastro, subenfiteuse, sesmarias, propriedade colectiva, legislação social da empresa, etc.

Corporação: sindicatos operários, patronais e mistos, sua personalidade jurídica, fiscalização da empresa, fomento dos interesses comuns, arbitragem, etc.

Graus corporativos superiores: sistematização profissional, colégios técnicos, câmaras de trabalho, etc.

Nação Económica: Política económica do governo central (Rei, ministros, conselhos técnicos), função supletória de fomento (proteccionismo, tratados de comércio) - função de fiscalização e coordenação dos vários graus da hierarquia económica.


2) Aspecto familiar administrativo:

Família: Unidade (pátrio poder); Continuidade (indissolubilidade conjugal; vinculação, luta contra o absentismo; vinculação propriamente dita: morgadio, homestead).

Paróquia: representação de um conjunto de famílias pelos seus chefes.

Município: representação de um conjunto mais amplo de famílias pelos seus chefes e de quaiquer outros organismos sociais de importância.

Província: câmara por delegação municipal, sindical, escolar e com a assistência do governador da província, função governativa especializada na aristocracia (com carácter rural e regional).

Nação Administrativa: Órgão - a Assembleia Nacional, assistida do conselho técnico geral (permanente ou de convocação temporária). Representação - delegações provinciais, municipais, escolares, corporativas; delegação eclesiástica, militar, judicial, etc. Função - consulta sobre a aplicabilidade, na prática, das leis que os ministros e os respectivos conselhos técnicos elaboraram (aprovação de impostos, orçamento, etc.).


3) Aspecto Judicial:

Essencialmente organizado sobre estas bases:

Julgado municipal (tribunal singular).

Tribunal provincial (colectivo).

Supremo Tribunal de Justiça (colectivo).

Conselho Superior da Magistratura.


4) Aspecto espiritual:

Arte: Desenvolvimento artístico, subsídios pelo município, província e governo central, restituição às províncias das obras de arte que lhes pertencem.

indústrias artísticas locais.

museus regionais e defesa do património artístico da província.

museus nacionais e defesa do património artístico da nação.

Ciência: Desenvolvimento da instrução e prestação de subsídios e auxílio material pelo município, província e governo central, a par da autonomia de alguns órgãos de instrução.

Instrução primária no município.

Instrução secundária na província.

Universidade autónoma (Coimbra).

Escolas e Universidades livres.

Escolas industriais, regionais.

Religião: Liberdade e privilégios da religião tradicional Católica, Apostólica, Romana.

protecção a esta religião e prestação de auxílio material em regime concordatário.

liberdade de congregação.

liberdade de ensino.

- Nação espiritual: a alta representação destas três formas do aspecto espiritual nos conselhos de El-Rei e na Assembleia Nacional.

("O que nós queremos - monarquia orgânica, tradicionalista, anti-parlamentar - programa integralista", Nação Portuguesa, 1 (1), 8 de Abril de 1914, pp. 4-6.)

http://www.angelfire.com/pq/unica/il...a_organica.htm


Três nótulas sobre o integralismo lusitano (evolução, descontinuidade,
ideologia, nas páginas da «Nação Portuguesa», 1914-26)


http://analisesocial.ics.ul.pt/docum...vp7Vz81PH1.pdf







__________________
Only force rules. Force is the first law - Adolf H. http://erectuswalksamongst.us/ http://tinyurl.com/cglnpdj Man has become great through struggle - Adolf H. http://tinyurl.com/mo92r4z Strength lies not in defense but in attack - Adolf H.
 
Old March 24th, 2014 #47
RickHolland
Wolves don't serve masters
 
RickHolland's Avatar
 
Join Date: Apr 2009
Location: Soviet Union
Posts: 5,037
Blog Entries: 1
RickHolland
Default

Entrevista a Ramon Bau


1. A repressão contra os nacionalistas tem-se intensificado em Espanha, será este sistema o da liberdade e da livre expressão?

La libertad de expresión es siempre algo relativo, ningún sistema da libertad de expresión contra los que realmente mandan, contra los verdaderos intereses básicos del Poder, y menos si esa libre expresión puede realmente poner en peligro las bases del Poder.

En Europa la solución esta en prohibir las ideas que son peligrosas para el poder económico. En USA la solución es dejar hablar pero efectuar un boicot económico absoluto contra los ‘incorrectos’, y en ambos casos si fuera necesario matarlos (atentado contra George Wallance en USA o los asesinatos por parte del servicios secretos en Italia de los 70’s) o el golpismo militar en muchos países árabes apoyado por las democracias contra el islamismo triunfante en elecciones.

Lo que repugna es la HIPOCRESIA, la democracia es una dictadura hipócrita, esto es lo más repulsivo. Yo se que el capitalismo no dejara su poder sin hacer lo posible, legal o no, lo malo es que la democracia engaña y es hipócrita, hace creer que hay libertad, y solo hay Mercado.

2. Na sua opinião porque é que o sistema nos persegue? Porque dizemos a verdade?

No, no es un problema de ‘verdad’. Es un problema de temas que les asustan de verdad: el tema racial (y sus implicaciones contra el mundialismo y la inmigración), la critica al arte degenerado, la defensa de la ética y el poder oculto capitalista, por ejemplo.

El sistema no puede aceptar que cayera el sistema económico mundialista, una oposición a la inmigración de mano de obra, una caída del Mercado global y sus negocios. Jamás ha puesto a votación la aceptación o no de la llegada masiva de inmigrantes o de la economía globalizadora.

La oposición a estos temas es muy peligrosa para el sistema pues la gente podría reaccionar.

No nos damos cuenta pero la invasión étnica en Europa es tremenda y el Mercado globalizador traerá consecuencias terribles, ya las trae, de condiciones de vida y de cultura, identidad, costumbres, estilo de vida, ética, etc… todo porque el Capitalismo lo necesita para ganar más.

Y por ultimo denunciar las maniobras de grupos de presión como la masonería o los sionistas, su poder en la prensa, la corrupción de la democracia por el poder del dinero, es algo que tampoco pueden aceptar.

3. Com tanta repressão e com tanta perseguição, como é que ainda tem forças para lutar contra o sistema?

Creo que la fuerza para seguir la lucha se basa en una Cosmovisión de la Vida. O sea: si uno considera que la vida NO tiene sentido solo para vivir bien, para el egoísmo, para pasarlo bien, entonces es cuando no se deja jamás de luchar, porque no se desea vivir aislado en un mundo en decadencia, porque se desea poder hacer algo, poco y mal, pero algo, por la gente honrada. Y la propia vida y ‘felicidad’ no está en disfrutar sino en estar contento de la actuación propia, de no ceder al egoísmo.

No se trata de ‘esperanzas de éxito’, sino de obligación propia de vivir para algo elevado.

4. A criminalidade imigrante tem aumentado. Estaremos nós numa antecâmara de Guerra Civil, ou melhor, estaremos num período de Guerra-Fria entre os nacionais e os imigrantes do terceiro mundo?


El problema de la inmigración masiva llevara a problemas gravísimos. No es que aya a ser ante todo un a Guerra Civil, eso es solo una posibilidad muy lejana, lo mas grave es que el problema no va a una guerra sino a una destrucción de la Comunidad. El objetivo del sistema no es crear la guerra civil, sino la destrucción de todo sentido de comunidad, la mezcla étnica y la formación de guettos, de islas de razas que poco a poco pierdan su identidad y cultura para formar una humanidad de mestizos igualitaristas y sin raíces.

A cambio el capitalismo tendrá un Mercado inmenso sin diferencias, donde la gente será solo ‘productores’, no Pueblo, no tendrá identidad ni fronteras, ni culturas distintas ni problemas fuera del trabajo.

Este es el verdadero peligro.

5. Que soluções para terminar com a invasão e colonização da Europa?

Tomar el Poder, simplemente. Nada es imposible de arreglar si hay un Estado decidido a ello. El problema no es acabar con la inmigración, el problema es quitar el poder al capitalismo y tomar el poder un movimiento que desee la defensa de la Identidad.

Después hay muchas soluciones, pacificas, tranquilas. Se debería declarar nulas todas las nacionalizaciones y dar un documento de ‘residentes’ a los inmigrantes y sus descendientes. Y pactar luego económicamente con ellos vuelta a sus tierras, expulsar a los delincuentes, etc… reducir poco a poco la invasión y pactar con los países de origen ayudas y medidas de reintegración.

Hay que llegar a un pacto con los inmigrantes, que deben tener también una conciencia de identidad y del desastre que significa su desarraigo de sus países.

6. Que Europa para o futuro? Os eurocratas dominam o pensamento e privam a Europa de pensar, o «Não» à Constituição Europeia tem ganho força pela Europa, mas não será o futuro da Europa a união dos povos irmãos?

Europa es una NECESIDAD GEOPOLITICA, o sea, los problemas actuales de inmigración y de Mercado capitalista NO los puede solucionar un solo país, necesitamos una fuerza importante unida para poder solucionarlos de verdad.

La unidad es pues necesaria para tener esa fuerza, no para unificar las identidades de cada pueblo. Unidad en Defensa y en Macroeconomia, pero diversidad total en culturas, idiomas, formas de ser, tradiciones, etc.

La Europa capitalista y de Mercado no sirve de nada en este camino. Para nosotros Europa solo tiene sentido como Ideal, no como unión económica. La economía debe unirse porque el Ideal lo reclamara. Por tanto no hay lugar para el egoísmo de cada país, las trampas para ganar más o obtener beneficios… es el Ideal común y la necesidad común la que debe dirigir la unidad.

7. Por falar de povos irmãos, que relações devem ser estabelecidas na Península Ibérica? Deverá a Espanha desmantelar-se e renascer a nação Catalã, a Basca, a Galega, ou deverão estas nações continuar sobre a alçada de Castela?

Nunca hay soluciones que no salgan de la Realidad. España o Portugal son una realidad y por tanto se deberá contar con esa realidad. No se trata pues de desmantelar España sino de convertir España en una Nación de naciones, capaz de mantener la diversidad de sus pueblos y culturas sin odios entre ellas, sin imposiciones de un centro contra los demás ni al revés.

Hoy por hoy la necesidad primera es eliminar el capitalismo, por tanto ahora las separaciones son una barbaridad, no hay libertad para Cataluña en un mundo capitalista, globalizador y sin identidad. Si no nos libramos primero del Poder del Dinero, que no tiene nación ni identidad, no hay nada que hacer con los ‘nacionalismos’ de cada pueblo de España.

8. E Portugal, o que conhece do nosso país?

He visitado mucho Portugal, especialmente como turista, sus monasterios y castillos. Además hay una fuerte identidad entre el pueblo y lengua Gallega y Portugal.

El problema de Portugal es que sus colonias africanas eran enormes y muy pobladas, la política colonial no supo sacarse de encima el problema a tiempo y ha llevado a una enorme invasión de africanos sobre Portugal.

El colonialismo fue un gran error. La idea de ayudar a los pueblos africanos inicial era buena, pero se convirtió en una fuente de negocios y de intereses de materiales, y con ello se alargó en el tiempo y no se dejo marchar a las colonias cuando aun no había invasión inmigratoria.

Le paso igual a todos los países europeos con colonias importantes.

9. Obrigado pela entrevista, algumas considerações finais para os camaradas portugueses?

Portugal tiene una legislación muy dura contra nuestras ideas si se presentan de ligadas a sus orígenes históricos, así que en Portugal la lucha debe hacerse sin unión a los movimientos históricos del pasado, sino como una revolución nueva, salida de soluciones a los problemas actuales. Pero eso no debe hacer que olvidemos la raíz común de nuestra lucha, nuestro pasado común de una Europa que lucho contra el materialismo y el capitalismo.

Ni Portugal ni España podemos ganar solos este combate contra el inmenso poder económico, necesitamos a todos los pueblos europeos posibles.

Y por ultimo: la Historia no esta escrita, lo que ahora parece imposible no sabemos como será dentro de 50 años. Por ello luchar, formar una generación nueva, dejar constancia de texos y estilo, de conducta, es mas importante a veces que los éxitos puntuales ahora mismo. Nunca ceder en el estilo y una conducta ética por éxitos puntuales.
__________________
Only force rules. Force is the first law - Adolf H. http://erectuswalksamongst.us/ http://tinyurl.com/cglnpdj Man has become great through struggle - Adolf H. http://tinyurl.com/mo92r4z Strength lies not in defense but in attack - Adolf H.
 
Old March 24th, 2014 #48
RickHolland
Wolves don't serve masters
 
RickHolland's Avatar
 
Join Date: Apr 2009
Location: Soviet Union
Posts: 5,037
Blog Entries: 1
RickHolland
Default

Entrevista realizada pela redacção do Causa Nacional a Filipe Batista e Silva, redactor do extinto Portal Nacionalista

1. Podes falar-nos um pouco do teu trabalho no movimento nacionalista?

Apesar dos meus sentimentos patrióticos se terem começado a manifestar desde muito cedo, a verdade é que só entrei em contacto com o movimento nacionalista por volta dos 16 anos de idade. Esse primeiro contacto surgiu por intermédio dos canais de conversação na Internet, aonde conheci outros jovens nacionalistas. Com o tempo e através de leituras e novos conhecimentos, fui aprendendo a racionalizar politicamente os meus sentimentos patrióticos. Assim que me tornei num nacionalista convicto, por volta dos meus 18 anos, decidi que tinha que fazer alguma coisa pelo meu país. Queria sentir-me útil à Pátria.

Nessa altura, o Partido Nacional Renovador (PNR) tinha acabado de se criar e não havia outros projectos de peso no horizonte. Desde sempre senti que o meu trabalho deveria ser canalizado para um partido político e não para um daqueles 1001 grupúsculos nacionalistas que vão aparecendo e desaparecendo fugazmente, por mais bem intencionados que os seus membros sejam. Integrei-me rapidamente no PNR e desde logo comecei a trabalhar activamente, nomeadamente com camaradas do Porto e de Aveiro. Desde essa altura que o meu activismo tem sido bastante polivalente. Fui fazendo um pouco de tudo: filiação de novos militantes, colagem de cartazes, distribuição de panfletos, colaboração em diversas revistas nacionalistas, tais como a JovemNR, idealização e produção de meios informativos (cartazes e panfletos do PNR), entre outras coisas…

No passado mês de Julho (2004) o Núcleo do Porto escolheu-me para coordenar o núcleo juntamente com o camarada Carlos Branco. Reformulei o núcleo de modo a torná-lo mais eficiente e activo. As metas que estabeleci para o núcleo do Porto são: continuar com campanha nacionalista regular, apresentar uma lista à Câmara Municipal do Porto e realizar conferências abertas à população.

De resto, iniciei em Agosto passado um novo projecto na Internet, o Portal Nacionalista (www.portugalsempre.com), que é um projecto bastante ambicioso e que me está a ocupar alguma parte do meu escasso tempo livre.

2. Como surgiu a ideia do Portal Nacionalista?

O Portal Nacionalista surgiu da necessidade de preencher um vazio que se fazia sentir na Internet portuguesa pela falta de um espaço de referência afecto à área nacionalista. Devo dizer que não detenho o exclusivo da ideia inicial. Tanto o José António como o Sérgio Martins estiveram na base da criação deste projecto e prestaram uma ajuda imprescindível.

O Portal Nacionalista nasceu, portanto, para ser um pólo de referência para todos os nacionalistas portugueses, pois foi concebido para ser uma fonte de notícias sobre a militância nacionalista em Portugal e na Europa. Além disso, contém um arquivo permanentemente em actualização com artigos variados (da ideologia à actualidade política, passando também pela ciência e ecologia), sondagens, reviews culturais, etc. Em duas palavras, o Portal Nacionalista é um espaço de reflexão e acção.

3. Recentemente a redacção do Portal Nacionalista foi a um colóquio da Terra e Povo, em Valência. Quais foram os conhecimentos que extraíste desse contacto internacional? E que benefícios têm esses contactos?


O I Colóquio da Terra e Povo em Valência foi muitíssimo rico do ponto de vista ideológico e metapolítico. Estiveram presentes as sumidades do pensamento identitário actual, tais como Guillaume Faye, Pierre Vial e Pierre Krebs. Escusado será dizer que ouvir as suas comunicações e falar directamente com essas personalidades, absorver o seu conhecimento e a sua experiência foi extremamente enriquecedor.

Uma das coisas que tive a oportunidade de conhecer mais a fundo foi o novo modelo de Europa que os membros e simpatizantes da Terra e Povo preconizam: Uma Europa fortaleza, federada, que se estende territorialmente dos Açores até aos montes Urais, e unida pelo cimento da raça e da civilização comuns, ainda que com autonomias étnicas internas. Essa nova Europa resultaria de um compromisso voluntário de todos os povos europeus, saído da queda da actual ordem estabelecida (falência do demo-liberalismo e do sistema económico mundial). Devo frisar que sou céptico relativamente a alguns dos pontos deste novo modelo Europeu, pois achei irrealistas algumas das soluções ali defendidas. Não obstante, é sempre positivo conhecer as novas teorias que circulam no meio intelectual nacionalista e identitário.

Tenho a felicidade de já ter estado presente em outros encontros internacionais e, por isso, sei bem a importância que têm. A troca de experiências, o convívio e a aprendizagem que resultam destes encontros é, não só extremamente enriquecedora do ponto de vista ideológico, mas também encorajadora do ponto de vista da acção. Os contactos entre nacionalistas de toda a Europa não são inéditos. Já nos anos 20 e 30 eram frequentes os encontros internacionais entre as diversas forças nacionalistas europeias.

4. O futuro será uma política europeia comum e a construção de projectos como a Frente Nacional Europeia?

Assistiremos com certeza a um fortalecimento dos elos entre as várias forças nacionalistas da Europa e não há dúvidas que se intensificarão os encontros e a cooperação entre os diversos movimentos nacionalistas europeus. Havendo vontade e recursos, as “federações” de partidos nacionalistas, como a EuroNat e a recém criada Frente Nacional Europeia, podem vir a desempenhar um papel indispensável junto das instâncias supra-nacionais, e tornarem-se importantes plataformas para a coordenação e gestão de sinergias, nomeadamente com vista a combater em prol de causas comuns, como por exemplo contra a imigração, contra a entrada da Turquia e de Israel na U.E, ou a favor de uma Europa livre dos compromissos com os EUA e China.

Essas plataformas europeias são também, em meu entender, os locais mais indicados para se iniciar a reflexão sobre o futuro modelo de Europa que queremos construir. Nesse plano, muito há ainda por fazer. Deparamo-nos com uma União Europeia extremamente burocratizada, regulada e institucionalizada. É preciso saber o que fazer com as imensas estruturas criadas e os tratados assinados ao longo de todas as últimas décadas. Reformá-los? Eliminar tudo e construir tudo de base? Enfim… Creio que nos temos que debruçar sobre todas essas questões, pois são matérias muito sérias e de grande responsabilidade.

Mas de resto, não creio que os partidos nacionais deixem alguma vez de ser os principais actores da mudança e os principais detentores da voz alternativa em cada um dos seus respectivos países. A cada nação, o seu respectivo movimento nacionalista.

5. Que papel poderá Portugal desempenhar num movimento nacionalista europeu?

Para ser franco, Portugal não tem, actualmente, nada para oferecer ao movimento nacionalista europeu. Em primeiro lugar, porque somos um dos países aonde o movimento nacionalista está mais atrasado e descoordenado. Em segundo lugar, porque somos um pequeno país cuja situação interna, por mais satisfatória que se venha a encontrar no campo do nacionalismo, pouca influência poderá exercer no conjunto do movimento europeu. Não estou com isto a dizer que, no futuro, encontrando-nos mais fortes e organizados, não possamos ter um papel mais activo e meritório no seio do movimento europeu. O nacionalismo português não tem que ser necessariamente passivo. Podemos ser activos em inúmeras áreas, a começar pela actividade intelectual e cultural. Daí a grande necessidade de formarmos os nossos quadros superiores de excelência e de abrirmos portas a um renascimento cultural.

Mas, hoje em dia, e para ser realista e pragmático, o movimento português deve aproveitar ao máximo tudo aquilo que puder receber de movimentos estrangeiros mais desenvolvidos, nomeadamente a nível de formação de quadros médios e superiores e, porque não, até a nível financeiro. Temos que aproveitar o know-how que fortes movimentos nacionalistas europeus, como o francês, o britânico e o alemão foram adquirindo através de décadas de luta e experiência. Mas o maior impulsionamento que o movimento nacionalista português poderá alguma vez receber, será, sem dúvida alguma, a vitória eleitoral de um grande partido nacionalista num grande país europeu.

6. Têm surgido ultimamente novos projectos políticos a nível de Internet. Qual é a tua opinião sobre o aparecimento de tantos projectos da área nacional?

Obviamente positiva! A Internet é uma excelente forma de furarmos o cerco da comunicação social. É um meio exultante que nos permite, em pouco tempo e com modestas quantias monetárias, tornar a voz nacionalista acessível a milhões de portugueses à distância de um clique, e sem margem para censuras (por enquanto...). Dentro de alguns anos, a esmagadora maioria da população portuguesa terá acesso frequente à Internet. É preciso fazer chegar a toda essa gente a nossa voz. É preciso inundar a Internet de nacionalismo. Quantos mais blogues, portais, páginas e foros, melhor!

Felizmente, têm surgido projectos na Internet bastante interessantes e válidos, como é o caso da Causa Nacional, do ECONAC e mesmo do Reconquista. Destacam-se também pela positiva diversos blogues. Mas não poderia deixar de lamentar a descontinuidade de excelentes projectos como o foram o Imigport e o Inconformista... A Internet é, e terá que ser ainda mais, um terreno privilegiado para a divulgação das nossas ideias. E não se pense que tudo se esgota no que já existe. É possível explorar muitíssimo mais este poderoso e imenso meio que é a Internet.

Deixo apenas uma ressalva: A Internet tornou-se um autêntico meio de activismo e militância (designadamente no campo das ideias) que tem cativado centenas de nacionalistas portugueses. Mas é bom que não nos olvidemos que o futuro da nossa causa se joga também (e sobretudo) nas ruas das nossas vilas e cidades. Sem esse trabalho de contacto real com as populações, jamais obteremos a confiança do país. Não se pode cair no grave erro de relegar para segundo plano as outras frentes de acção!

7. O Portal Nacionalista está para durar? O que podemos esperar para o futuro?

Durará enquanto o projecto tiver validade e utilidade e enquanto eu tiver tempo e disponibilidade para lhe dar seguimento. Há muitos projectos que nascem pequenos e pouco ambiciosos mas que vão crescendo e melhorando com o tempo. Este, pelo contrário, nasceu já grande e ambicioso. Por isso, o que mais espero é poder corresponder à ambição inicial do projecto. Se houver mais tempo e imaginação, poderão surgir algumas surpresas. Por enquanto, os visitantes do Portal Nacionalista podem contar com a continuidade do trabalho que até tem sido desenvolvido.

8. E o futuro do nacionalismo em Portugal é risonho?

É meu entender que o que vier acontecer em Portugal em matéria de mudança política dever-se-á mais às circunstâncias internacionais e a macro-acontecimentos do que ao trabalho meritório dos nacionalistas ou sequer ao crescimento da simpatia do povo para com o nacionalismo. A haver uma efectivação do poder nacionalista em Portugal (e na Europa), isso dever-se-á sobretudo a imperativos histórico-acontecimentais inelutáveis que obrigarão a uma inflexão drástica no campo da política e da sociedade. Para poder apresentar esta tese, terei que me alongar um pouco, e fazer um esboço do quadro internacional que se está a desenhar.

Em dado momento da história mundial (nomeadamente ao longo de toda a década de 90), creu-se que o progresso social e económico não iria jamais abrandar; que haveria dinheiro para distribuir pela maior parte dos necessitados; que o sistema capitalista mundializado promovia a distribuição de riqueza e prevenia a ocorrência de graves crises económicas; que poderíamos destruir as identidades culturais, a moral e a família e substituir tudo isso pelos anti-valores progressistas, pelo individualismo e hedonismo; que a medicina iria encontrar respostas para todas as doenças e epidemias; que a ciência encontraria soluções para os abusos cometidos sobre o meio ambiente; que os conflitos bélicos tenderiam a extinguir-se ao ritmo da (hipotética) democratização do terceiro-mundo. Na base lógica destas crenças, continua a avançar a religião onusiana (de ONU) que, desde a sua criação, começou a impor – através dos meios de comunicação social e pela coação intelectual e cultural – uma nova moral baseada no igualitarismo humano, no relativismo cultural e moral e no pacifismo positivista. Esta religião mundial conduziu, entre outras coisas, à imposição, no ocidente, da aceitação social de comportamentos anti-naturais como a homossexualidade e o aborto, bem como ao estímulo da rebelião da mulher contra o homem e à imigração desregulada. Mas mais grave que tudo isso, a religião onusiana tem servido de argumento ao governo mundial – que, para existir, terá fatalmente que ser tirânico, anti-democrático e totalitário, ainda que sob a capa de um pretenso humanismo.

Mas décadas após a “evangelização” à escala global da religião onusiana e da difusão dos liberalismos e socialismos optimistas, hoje, em pleno séc. XXI, o estado do mundo ilustra perfeitamente o desmoronar de cada um daqueles mitos do progresso eterno e da fraternidade mundial. Segundo Guillaume Faye, o mundo está a precipitar-se para uma “convergência de catástrofes”, a ocorrer até 2020. Entre elas encontram-se a económico-financeira, a demográfica e social, a ambiental e a geopolítica. Debrucemo-nos nessas linhas de catástrofe com mais algum pormenor:

- As economias europeia e norte-americana estão em clara recessão, não se prevendo qualquer retoma futura. O desemprego aumenta. As desigualdades entre blocos regionais, estados e classes estão a aprofundar-se. O capitalismo, ao invés de conduzir a uma distribuição de riqueza, conduziu à concentração da propriedade. Graças à quebra da fecundidade, os sistemas de segurança social faliram, e assiste-se a um progressivo desmantelamento dos mecanismos de justiça social, sem nada que os substitua.

- A diluição dos valores, da moral, da família e das identidades culturais e étnicas está a “descalcificar” as sociedades, levando-as à anarquia, à confusão e à incerteza. Por um lado, as baixas taxas de natalidade, a explosão do divórcio, o aumento das famílias mono-parentais, o aborto, o advento das sexualidades alternativas e, por outro, o consumismo, o aumento exponencial das doenças depressivas e dos suicídios, da marginalidade, da toxicodependência, do pequeno crime e da alta corrupção são apenas algumas das consequências da “descalcificação” das sociedades ocidentais que se foi processando paulatinamente ao longo de toda a segunda metade do séc. XX.

- Todos os anos surgem novas epidemias e doenças (tanto no homem como nas espécies animais e vegetais da cadeia alimentar), aparecem novas mutações de vírus e reaparecem vírus multi-resistentes que se davam por extintos. E o que está a acontecer é que a medicina não está a conseguir acompanhar este ritmo alucinante. No que ao ambiente diz respeito, a actual geração já sente os graves efeitos que a gula humana provocou. Sucedem-se catástrofes ambientais (dilúvios, secas, tornados, sismos) a um ritmo até agora nunca assistido pelo homem; o nível das águas do mar aumenta de dia para dia; os rios e os aquíferos secam e/ou estão poluídos; o nosso frágil sistema atmosférico está a abrir brechas. Enfim, o clima está em acelerada mutação, transitando da harmonia para o caos e o extremo. No futuro, poderão existir extensos territórios praticamente inabitáveis (imagine-se as pressões demográficas que tais acontecimentos poderão gerar!), localizados, grosseiramente, entre as latitudes 30º N e 30º S devido ao aquecimento global.

- No plano das relações internacionais, gera-se um clima cada vez mais tenso; as guerras não terminaram, antes multiplicam-se; as fronteiras entre blocos civilizacionais vincam-se. A ascensão da China a super-potência mundial, a proliferação de armas nucleares e o recrudescimento do ódio muçulmano são alguns dos focos mais problemáticos. Por outro lado, desenham-se conflitos civis inter-étnicos, não só no terceiro-mundo como no seio da própria Europa graças à invasão e ocupação do nosso território por massas humanas alógenas que procuram desesperadamente por um “lugar ao sol”. Só em França, estima-se que a comunidade muçulmana atinja 6 a 7 milhões de habitantes, com incrementos anuais na ordem das dezenas de milhar; em Portugal, os residentes não-europeus constituem já mais de 5% da população… O pequeno crime étnico violento que hoje em dia fermenta nas grandes metrópoles europeias é apenas a antecâmara de uma provável guerra entre invasores e invadidos.

Tudo isto pode soar a fatalismo, mas a realidade é que a Europa da primeira metade do séc. XXI não será seguramente um lugar de paz, abundância e desperdício como até aqui tem sido. Perante todos estes problemas, a questão que se coloca é: será que o actual sistema político demo-liberal encerra os mecanismos e as estruturas ideológicas que lhe permitam fazer frente aos desafios que aí vêm? É óbvio que não. O actual sistema está totalmente desgastado e corrompido e já nem sequer conta com a confiança da grande maioria da população (veja-se, por exemplo, as crescentes taxas de abstenção nas eleições por toda a Europa). Há um grande sentimento de descrédito da população relativamente à política e aos políticos actuais. Não vou escondê-lo: A oportunidade dos nacionalistas reside nos erros clamorosos e suicidários das actuais políticas. Quando as crises acima apontadas se começarem a convergir umas com as outras, só restará uma solução: A mudança de paradigma, mudança essa que apenas poderá ser operada por aqueles cuja ideologia melhor se adequar à gestão de tempos de crise e por aqueles que melhor puderem restabelecer a ordem natural das coisas. O nacionalismo, pela sua visão do mundo não-igualitarista, meritocrática, pró-vida e realista, bem como pela sua capacidade de unir os esforços e as vontades nacionais em torno de grandes metas, é a ideologia mais adequada ao mundo de ferro e fogo que nos aguarda impacientemente.

Não sei qual o derradeiro acontecimento que irá levar os nacionalistas ao poder em Portugal – se um acto eleitoral, se a ocupação de um poder vazio, se será uma transição pacífica ou um processo turbulento. Mas isso pouco interessa, pois a nossa chegada ao poder é algo que terá que ser preparada ao longo dos próximos anos. Antes de chegarmos ao poder já teremos que estar destinados a lá estar, e isso, só a história, conjugada com o nosso merecimento, poderá determinar. Mas estou convencido que a história nos seleccionará.

9. Para terminar a entrevista, queres salientar algum aspecto?


Sim. Quero aproveitar esta oportunidade que a Causa Nacional me ofertou para apelar a todos os seus leitores à acção militante e dedicada. Quando eu digo que a história nos vai seleccionar, não estou a dizer que estejamos predestinados e que, por isso, a nossa acção militante é dispensável ou pouco determinante. Espero que não tenham entendido dessa forma! Quem me conhece pessoalmente sabe o quanto eu valorizo a militância e a acção e o quanto meço os meus camaradas pelo tempo e esforço que dedicam à Causa.

Apesar dos factos histórico-acontecimentais futuros irem determinar, em grande parte, a vitória dos nossos ideais, tal não significa que a história, por si só, faça o trabalho que nos cabe a nós fazer. Para aproveitarmos as oportunidades da história é preciso trabalhar muitíssimo!!! Desenganem-se os pregadores e os crentes da facilidade. Nada neste mundo se conquista sem esforço e perseverança. E não basta o esforço no sentido físico. É necessária também uma boa dose de QI estratégico e político, que consiste sobretudo em saber aproveitar os momentos certos para agir, empregando os meios mais eficazes à consecução das metas estabelecidas.

Ao longo dos meus anos de militância, já lidei com muitos nacionalistas. Infelizmente, a grande maioria daqueles que estabelecem um primeiro contacto connosco apresenta inúmeras desculpas – a maioria delas esfarrapadas – para não trabalhar. Ora é a falta de tempo, ora a falta de dinheiro, ora o medo. Todos temos tempo e dinheiro para a Causa se os racionarmos e se não os desperdiçarmos em estupidificantes sessões de cinema e pipocas, em jogos de computador ou programas de TV, em tabaco, em noitadas de cerveja ou discotecas…

Alguém disse que ser militante não tem os seus sacrifícios e não implica algumas restrições? É óbvio que há sacrifícios e restrições. Mas tem também os seus ganhos! E o primeiro de todos é para com a nossa consciência. Ao trabalharmos para Portugal, sentimo-nos úteis e candidatamo-nos a um lugar na História. Afinal de contas, há algo na Terra mais dignificante do que lutar pela nossa terra e por ideais justos? Miserável e desprezível aquele que vive unicamente para satisfazer os seus desejos carnais!

No nacionalismo português, quase tudo está ainda por construir: uma plataforma política forte, núcleos locais activistas, actividade intelectual e doutrinária, promoção cultural, activismo de cidadania, etc. Há lugar para todos!

“Quem falha em preparar-se prepara-se para falhar”, é um pensamento que deve acompanhar todo o nacionalista!
__________________
Only force rules. Force is the first law - Adolf H. http://erectuswalksamongst.us/ http://tinyurl.com/cglnpdj Man has become great through struggle - Adolf H. http://tinyurl.com/mo92r4z Strength lies not in defense but in attack - Adolf H.
 
Old March 24th, 2014 #49
RickHolland
Wolves don't serve masters
 
RickHolland's Avatar
 
Join Date: Apr 2009
Location: Soviet Union
Posts: 5,037
Blog Entries: 1
RickHolland
Default

Do “Jovem Portugal” à “Ordem Nova”: 20 anos de combate fascista
Artigo publicado no “Expresso” de 5 de Fevereiro de 1983 por José Paulo Fafe

Foi na sequência da crise académica de 1962 e com o objectivo de suster a ascensão da oposição no movimento associativo, que os grupos organizados de cariz fascista (re)começaram a surgir em Portugal.

Após o desaparecimento dos “camisas azuis” de Rolão Preto, Salazar conseguira agrupar os fascistas na Legião Portuguesa e na Liga dos Antigos Graduados da Mocidade Portuguesa, controlando assim um pouco os seus ímpetos radicais.

Em 1962, é criada em Lisboa a Juventude Portuguesa Nacional-Sindicalista, vulgarmente conhecida por “Jovem Portugal”. A sua existência foi efémera, dada a mobilização dos seus principais dirigentes (Zarco Moniz Ferreira e José Valle Figueiredo, entre outros) para o então Ultramar português. Na sua curta existência, o “Jovem Portugal” manteria um jornal (“Ataque”) e estaria em estreita ligação com a “internacional” fascista de então (“Jeune Europe”), liderada pelo belga Thiriart. Entre os vários nomes conhecidos que figuravam nas hostes dessa organização fascista, contava-se o então dirigente local de Almada, o actual correspondente da RTP em Madrid, Vasco Lourinho.

De 1963 a 1965, um pequeno e restrito grupo dirigido por Jorge Moreira (assessor do ex-ministro da Educação, Vítor Crespo, em 1982) e por Carlos Meirelles (mais tarde inspector da PIDE), denominado Frente dos Estudantes Nacionalistas, preencheu de algum modo o “vazio” deixado pela ida para Angola e Moçambique da maioria dos quadros do “Jovem Portugal”. Foi essa mesma FEN, que viria a ter um papel importante no assalto e destruição da Associação Portuguesa de Escritores, aquando da atribuição de um prémio literário ao escritor angolano Luandino Vieira.

Em 1965, com o regresso a Lisboa dos dirigentes do “Jovem Portugal”, é fundada a Frente Nacional Revolucionária, também conhecida por Formação Legionária Académica, e que publicou durante quase dois anos um jornal intitulado “Frente”. A FEN era quase exclusivamente formada pelos membros da chamada “lança” académica da Legião. A sua existência duraria até 1968, data em que surgiria o “Movimento Vanguardista”.

“1968, a queda do regime”

Luís Fernandes, um dos fundadores do Movimento Vanguardista considera assim, o regime deposto em 25 de Abril: “Já não era o nosso… O Estado Novo morreu com o prof. Salazar, e Marcelo mais não foi que o percursor da queda do regime!”.

O MV foi talvez o mais importante grupo fascista ante-25 de Abril. Embora a sua existência não ultrapassasse 1971, o MV, desenvolveu uma cerrada e feroz oposição a Caetano e à sua política. No jornal “Agora”, o MV manteria uma página intitulada “Vanguarda”, ao mesmo tempo que publicaria sob o mesmo título uma revista, que duraria apenas seis números.

Até 1974, nenhum outro grupo fascista seria criado. Os quadros dos grupos anteriormente referidos agrupar-se-iam na Liga dos Antigos Graduados da Mocidade Portuguesa, dirigida por Luís de Avillez e Elmano Alves, e na Força Automóvel de Choque (dependente da Legião) comandada pelo então deputado “ultra” Francisco do Casal Ribeiro.

Entretanto, em Coimbra, surgiriam dois agrupamentos fascistas de cariz intelectual: a revista “Itinerário”, dirigida por José Valle de Figueiredo e a cooperativa livreira “Cidadela”, de cuja direcção faziam parte nomes como o do actual ministro da Cultura, Francisco Lucas Pires, o da sua irmã Maria Adelaide, o do agora deputado do CDS, Cavaleiro Brandão, o do conhecido analista político José Miguel Júdice, bem como de Goulart Nogueira, fundador do grupo teórico “Intervenção Nacionalista”. Na dependência dessa cooperativa funcionava a “Oficina do Teatro dos Estudantes de Coimbra”.

Também em Lisboa, e durante esse período (1971-1974) o intelectual Jaime Nogueira Pinto dirigiria um jornal denominado “Política”, que acabaria com o 25 de Abril.

“Marcelo, capitão de Abril”

Na opinião de Paulo Teixeira Pinto, um destacado quadro fascista dos últimos anos, “Marcelo Caetano foi o mais inteligente capitão de Abril…”. Essa sua opinião é partilhada quase unanimemente por todos os militantes fascistas, que consideram o último presidente do Conselho ante-25 de Abril como “o grande responsável pelo golpe militar de 1974”.

Em 1974 é criado em Lisboa um movimento essencialmente juvenil denominado Movimento Nacional Revolucionário. Embora concorrendo a algumas eleições em diversos liceus da capital, o MNR praticamente autodissolveu-se com o advento do “gonçalvismo” – tendo a maioria dos seus quadros optado por uma participação política nas organizações de juventude dos partidos de direita existentes na altura.

Entretanto, e ainda em 1975, o antigo dirigente do “Jovem Portugal” , Zarco M. Ferreira funda um restrito grupo denominado “Frente de Libertação Nacional-Sindicalista”, cuja acção se reduzia quase exclusivamente à publicação do jornal “Em Frente” e a algumas (poucas) acções isoladas.

Em 1976, é fundado em Lisboa, o “Movimento Nacionalista”, que ainda hoje existe. Criado na dependência directa do semanário “A Rua”, o MN viveu praticamente enquanto o jornal de Manuel Maria Múrias existiu. Principais organizadores das comemorações do 10 de Junho, durante alguns anos, o MN veio praticamente a desaparecer com a detenção de onze dos seus dirigentes, durante uma operação da Guarda Nacional Republicana nos arredores de Sintra, num acampamento paramilitar desse grupo. Depois de seis meses de detenção, os seus dirigentes foram absolvidos pelo Tribunal de Sintra. Actualmente a maioria dos seus quadros estão ligados ao semanário “O Diabo”, caso por exemplo de Nuno Rogeiro. Segundo um destacado militante do MN, este movimento encontra-se presentemente a “hibernar”.

A “Mocidade Patriótica” funda-se em 1977 e logo toma de assalto a organização de juventude do Partido da Democracia Cristã (JPDC). São os principais responsáveis pelo afastamento do almirante Pinheiro de Azevedo do PDC. Segundo o presidente da JPDC, essa organização “jamais existiu”. “Serviu única e exclusivamente como capa legal da Mocidade Patriótica”. Abandonam o PDC, dias antes da saída de Sanches Osório (então secretário-geral) e da entrada deste para o CDS.

Nessa altura, através de comunicados publicados nos jornais “O Dia” e “A Rua”, uma fusão PDC/CDS, levada a cabo – segundo a MP – por Rui de Oliveira (pelo CDS) e por Sanches Osório e Sousa e Mello (pelo PDC) e “aconselhada” pela União Europeia das Democracias Cristãs.

Nas eleições intercalares de 1979, a maioria dos seus quadros apoiam, porém, a candidatura de Manuel Maria Múrias, pelo PDC, embora já sem pertencerem a esse partido. Nas legislativas de 80, todo o trabalho de propaganda da coligação de direita FN/PDC/MIRN é realizado pela MP. Entre as acções mais espectaculares da MP, contam-se os sucessivos assaltos ao Cinema Nimas, na sequência da exibição do filme “As Horas de Maria”.

Paralelamente, no Porto, entre 1977 e 1978, surgem diversos agrupamentos, tais como o Movimento Nacionalista – sem dúvida o mais forte -, a Frente Nacional Revolucionária (com excelentes relações com os espanhóis do CEDADE) e as Brigadas Portuguesas (BRIPO), que mais tarde viriam a dar lugar à Acção Nacional Revolucionária. Sem tanta expressão, existem ainda hoje no Porto, dois grupos restritos, denominados por “Resistência Fascista” e “Último Reduto”.

Ordem Nova


A Mocidade Patriótica vem dar lugar ao mais importante grupo fascista do pós-25 de Abril: a Ordem Nova. Fundada em 1980, por escritura notarial em Sintra, a ON terá uma existência legal de apenas dois anos. Depois de três notificações da Procuradoria-Geral da República, para a modificação de estatutos, a ON passa à clandestinidade, onde ainda hoje se mantém.

Dos seus fundadores faziam parte o tenente-coronel Gilberto Santos e Castro e Zarco Moniz Ferreira, fundadores e dirigentes em 1962 do “Jovem Portugal”, Paulo Teixeira Pinto, dirigente da extinta Mocidade Patriótica, Luís Fernandes, dirigente do antigo Movimento Vanguardista, entre outros. Considerada pelos seus dirigentes como a organização “herdeira” dos grupos fascistas da década de 60, a Ordem Nova é fundada não como partido político, mas sim com o objectivo de ser “um grupo de pressão”. Segundo um dos seus fundadores e dirigente, “a Constituição não permite a ideologia fascista, pelo que a formação de um partido com essas características em Portugal é impossível”.

Mantiveram durante quase dois anos uma sede na Rua Tomás Ribeiro, que lhes valeu uma “manchete” de primeira página no extinto matutino “Portugal Hoje”, e inúmeras referências em vários órgãos de informação (1).

Quando da eleição de Adão e Silva para Grão-Mestre da Maçonaria Portuguesa, um grupo de activistas tentou, sem êxito, o assalto ao Grémio Lusitano. Mais tarde, a ON enviaria a Madrid, uma delegação de mais de sessenta pessoas, para participar nas comemorações da morte de Francisco Franco. Alguns dos seus militantes tomaram parte na “guarda de honra” feita a Giorgio Almirante (líder do Movimento Social Italiano de Itália) e a Blas Pinar (chefe da Fuerza Nueva espanhola), aquando dessas mesmas comemorações.

A presença em Madrid dessa delegação originou um protesto do embaixador de Portugal, Sá Coutinho, derivada da “utilização abusiva do estandarte nacional”.

Durante quase duas semanas, mantém (no Rossio e na Praça de Londres) bancas de propaganda. Concorrem a diversas associações de estudantes do ensino secundário (2), e levam a cabo diversas operações de rua. A sua participação no conflito da Universidade Livre de Lisboa, é igualmente de realçar, embora o empenhamento de muitos dos seus militantes tenha sido movido quase exclusivamente por motivos pessoais, e de interesse académico.

Entretanto, a 26 de Janeiro de 1982, a Ordem Nova auto-extingue-se, optando, segundo um dos seus actuais dirigentes, “em virar-se mais para dentro”. “Interessa-nos mais a qualidade, pelo que a formação dos actuais quadros é-nos indispensável”, acrescenta.

Entretanto, e já depois do termo legal da ON, foi organizado a 28 de Maio de 1982, um jantar comemorativo desta data, realizado no restaurante “Casa Branca” (em Vila Nova de Gaia) e presidido pelo prof. Soares Martinez, ao qual assistiram cerca de 250 pessoas.

No passado dia 1 de Dezembro, na Igreja do Santo Condestável, em Campo de Ourique, e após a missa mandada dizer pela Liga dos Antigos Graduados da Mocidade Portuguesa, a Ordem Nova procedeu ao “juramento de trinta novos militantes”.

A Ordem Nova, passa assim por uma fase que o mesmo dirigente afirma ser de “reconversão”.

“Acabámos com os folclorismos, queremos ser mais selectivos e operacionais”, justifica.

_________________

NOTAS PESSOAIS:

1. Este episódio inspirou também a banda Heróis do Mar, em temas como “Estou bem assim”, em que se contesta a decisão judicial de encerramento da sede, bem como as medidas de coacção impostas a alguns dirigentes. Os Heróis do Mar contavam entre si com três militantes da Ordem Nova.

2. Umas eleições associativas a que a Ordem Nova apresentou lista (a Lista N, encabeçada pelo luso-alemão Otto Von Haffe Teixeira da Cruz) foi a da Escola Secundária da Cidade Universitária (exclusivamente com 12º ano), tendo no entanto sido derrotada simultaneamente com a Lista da JSD, por uma lista unitária em que participei, no ano de 1981/82, composta por estudantes da JS, JCP, UDP, FUP e anarquistas.
__________________
Only force rules. Force is the first law - Adolf H. http://erectuswalksamongst.us/ http://tinyurl.com/cglnpdj Man has become great through struggle - Adolf H. http://tinyurl.com/mo92r4z Strength lies not in defense but in attack - Adolf H.
 
Old March 24th, 2014 #50
RickHolland
Wolves don't serve masters
 
RickHolland's Avatar
 
Join Date: Apr 2009
Location: Soviet Union
Posts: 5,037
Blog Entries: 1
RickHolland
Default

O Movimento Vanguardista
Por Riccardo Marchi (publicado na revista História, nº 65, Abril de 2004)

Em finais da década de 60, quando Marcelo Caetano se preparava para imprimir uma mitigada liberalização ao regime, o Movimento Vanguardista de Combate, uma organização assumidamente neofascista procurou, pela propaganda, reconduzir os Portugueses à pureza da Revolução Nacional de 1926.

No dia 12 de Novembro de 1966 é pu*blicado no Diário do Governo o De*creto Lei 47311, com o qual o Ministério da Educação, dirigido pelo Mi*nistro Galvão Teles, reforma a Orga*nização Nacional Mocidade Portuguesa, com a intenção de "(...) adaptar melhor [a M.P.] às circunstâncias dos tempos presentes". A fórmula segundo a qual "tudo aconselha para que se proceda à sua actualização" enco*bre a intenção do Governo de avançar ulteriormente na obra de desfascização, pelo menos do ponto de vista for*mal, das estruturas do Regime e, nomeadamente, da*quela organização oficial com a qual o Estado Novo quis enquadrar a juventude portuguesa desde 1936, inspi*rando-se nos moldes das organizações juvenis dos anos 30 nos regimes autoritários fascista e nacional-socialista.

O espírito do Decreto Lei é, substancialmente, o de retirar à Mocidade Portuguesa qualquer função de formação do "Homem Novo", moldado por uma educação es*partana, militarizada, profundamente ideológica, em condições de representar a futura milícia da Revolução Nacional. O Ministério, em vez disso, atribui-lhe a mais prosaica missão de "(...) valorização da pessoa humana, dentro do espírito de respeito das sãs tradições, de adap*tação às circunstancias dos tempos modernos (...) de compreensão e solidariedade internacional" [Art. 2°, 2.], tudo isso dentro das actividades circum-escolares dos es*tudantes ou do tempo livre dos jovens trabalhadores.

A reforma da Mocidade Portuguesa é obra de "traidores"

Este ulterior passo à frente na despolitização da juventude não causa reacções particularmente viru*lentas, senão em restritos sectores da Assembleia Na*cional e dentro das fileiras da Liga dos Antigos Gra*duados (L.A.G.), os quais, sentindo-se marginaliza*dos da elaboração da reforma, a consideram o golpe mortal ao já precário prestígio da organização.

Entre as posições mais radicais contra a acção refor*madora do decreto, surge o protesto de um grupo de graduados da Mocidade Portuguesa, que redigem e tor*nam público um documento de condenação.

Assim, no dia 9 de Abril de 1966, aparece, nas pági*nas do nº 268 do semanário Agora (publicação afectas aos ambientes nacionalistas mais radicais), um docu*mento intitulado "Manifesto dos Graduados da Mocida*de Portuguesa", assinado por 42 graduados da O.N.M.P., entre os quais 17 são Comandantes de Bandeira, 9 Co*mandantes de Grupo e 16 Comandantes de Castelo.

Os assinantes do Manifesto denunciam a gravidade do momento, representada pelas tentativas revisionis*tas internas à Situação; declaram ter constituído uma Junta de Acção dos Graduados, cujo objectivo prioritário é desenvolver uma campanha nacional de informação e propaganda para o renascimento da Mocidade Portuguesa, dentro do espírito do enquadramento hierárqui*co e doutrinário da juventude portuguesa, como garan*tia de formação de uma sólida base de apoio à política do Governo, ou seja, do Presidente do Conselho.

Na base destas premissas, os graduados assinan*tes desenvolvem um plano em dez pontos, que reúne quer reivindicações de carácter corporativo (ligadas à situação particular na qual se encontra a O.N.M.P.), quer considerações especificamente políticas, dirigi*das contra o abandono do espírito revolucionário por parte de certos sectores do Regime.

O aspecto corporativo do documento (nos pontos 3, 4, 5, 6), reconhece o carácter doutrinário e hierarquizante da Organização Nacional Mocidade Portuguesa, reivindi*cando para esta o direito/dever de se ocupar da formação integral de toda a juventude portuguesa em relação às ac*tividades extra-escolares (ponto 3), no interesse da Revolução Nacional. Neste sentido, os Graduados denunciam os perigos derivantes de uma rotura da estrutura educativa monolítica do Regime. O desagregar desta função e consequente distribuição das competências entre organizações juvenis "pseudo-educativas" e organizações estudantis "pseudo-representativas", representa o sinal da "vontade criminosa de criar divisões na juventude e inci*tar os estudantes contra o Estado Novo" (ponto 5).

É convicção dos Graduados que o Decreto Lei 47311 não é só um ingénuo erro de avaliação cometido por funcionários do Regime, mas um verdadeiro acto de traição contra a ortodoxia da Revolução Nacional, posto em obra por parte de forças anti-nacionalistas que há muitos anos tentavam expugnar os baluartes do Regime, através de uma incessante obra de propaganda contra o prestígio da Organização, única garantia de continuidade do Estado Novo (ponto 4). À luz destas considerações, os Graduados exigem a restauração do espírito originário da M.P., ainda presente no Decreto Lei nº 31908, de 9 de Março de 1942 (ponto 6).

De maior interesse são, todavia, os pontos que os Graduados dissidentes dedicam ao aspecto político e ideológico. O ponto 1 é dedicado à reafirmação da fide*lidade incondicional dos promotores do Manifesto nos destinos da Pátria portuguesa, multissecular e pluricontinental, defendidos e servidos pelas forças armadas nas Províncias Ultramarinas, contra a cobiça dos imperialis*mos estrangeiros: norte-americano e soviético.

Os assinantes lembram, a este propósito, o sacrifí*cio dos camaradas mortos na defesa das terras portugue*sas de Goa, Damão e Diu, contra a invasão das "hordas indianas" (ponto 7); Denunciam a traição dos estudan*tes contestatários – "agentes da subversão marxista" *posta em marcha nas universidades contra os jovens combatentes do Ultramar (ponto 8). Contra a subver*são, os graduados alertam o Estado Novo para actuar, pe*la vigilância, através das suas estruturas repressivas (ponto 9). Oferecem, finalmente, a própria força pela de*fesa e expansão do Império Português, jurando fidelida*de incondicional ao Chefe Supremo, Salazar (ponto 2).

A tomada de posição dos graduados não provoca nenhum efeito na política reformadora do ministro Galvão Teles. Pelo contrário, a mesma Organização Nacional Mocidade Portuguesa inicia um processo dis*ciplinar contra os assinantes do Manifesto, com o in*tento de expulsá-los da Organização.

A fidelidade exclusiva à figura de Salazar é um ele*mento importante do protesto deste grupo de gradua*dos. Representa, pois, o cordão umbilical que ainda mantém estes jovens idealmente solidários com o regi*me. Esta fidelidade à Revolução, através do seu Chefe, é o denominador comum de muitos expoentes daquela geração que, nos anos 60 e 70, escolhe a militância nas diversas organizações nacionais-revolucionárias afectas ao Regime, embora não ligadas a ele organicamente.

Para estes militantes, Salazar representa ainda a en*carnação do Portugal que resiste contra os "Ventos da História"; do Portugal que não se rendeu, desde 1945, à expansão da Democracia, quer na sua versão liberal-capitalista (norte-americana e euro-ocidental), quer na sua versão popular (soviética ou maoísta). É, portanto, a figu*ra de um Salazar idealizado que emerge nas escritas des*tes jovens militantes radicais, os quais, juram fidelidade ao Chefe do Estado Novo em nome dos princípios da Re*volução Nacional de 28 de Maio. Os atrasos, as deficiên*cias e as misérias do País e do regime são atribuídas à trai*ção dos burocratas da Situação – os chamados "Revolucio*nários de 29 de Maio", que, instalados há anos nos lugares chaves da administração, teriam sabotado o espírito revo*lucionário dos anos 20 e 30, por interesses particulares, impondo ao Estado Novo uma dinâmica conservadora, quando não reaccionária. A ideia obsessiva da traição apa*rece assim como o leitmotiv persistente das reivindicações dos jovens nacionalistas. A traição das gerações mais ve*lhas que não souberam – ou não quiseram – transmitir às novas gerações a mística revolucionária; a consequente traição daquela juventude que, animando a contestação estudantil nas Escolas e Universidades, acaba por tornar*-se instrumento da subversão internacional anti-portuguesa; a traição de todos quantos, portadores de um espí*rito "burguês", assumem uma atitude apolítica, absoluta*mente incompatível com o estado de sítio e de guerra em que Portugal se encontra. Para combater esta mesma trai*ção, os jovens nacionais-revolucionários recusam qual*quer tentativa de reforma do regime, que não seja em harmonia com o serrar de fileiras e a recuperação da orto*doxia originária da Revolução Nacional.

A Vanguarda e o Movimento Vanguardista de Combate


O protesto dos jovens graduados, em particular, en*contra um espaço permanente, a partir de Novembro de 1966, na revista Agora, que, desde Agosto de 1967, se transformará na verdadeira referência dos ambientes neofascistas, com a assunção da sua direcção por parte de Goulart Nogueira. Aos graduados é reservado o espa*ço "Página da Juventude", que aparecerá com regulari*dade quinzenal sob o título de "Vanguarda", até Março de 1969, quando sai o último número (nº 401) de Agora.

"Vanguarda" é a denúncia constante – de cariz ultra-nacionalista – dos erros cometidos pelo Regime em relação aos jovens portugueses, desde a falta de doutrinação, até ao abandono da virilidade revolucio*nária e, consequentemente, da expansão do apoliticismo entre as gerações do 60 e 70, além das cedên*cias frente ao avanço da subversão comunista nas Uni*versidades, face à qual o regime não soube opor uma política nacional de educação credível.

É a partir das colunas de "Vanguarda" que, com o artigo "Mensagem à Juventude Portuguesa" [em Ago*ra, nº 331 de 18 de Novembro de 1967, pág. 10] alguns dos graduados, chefiados pelo Comandante de Ban*deira, Luís Fernandes, comunicam o nascimento do Movimento Vanguarda de Combate.

O recém-nascido Movimento, despertando a sim*patia dos meios mais radicais da Situação, goza do apoio logístico do Ministério das Corporações e de al*gum apoio financeiro do Ministério dos Negócios Es*trangeiros, dirigido por Franco Nogueira. A preparação político-doutrinária, actividade principal do Movi*mento, é garantida pelos expoentes da Liga dos Anti*gos Graduados da Mocidade Portuguesa (L.A.G.) e, especialmente, pelos intelectuais que, nos anos 50, tinham representado a primeira geração neofascista portuguesa (António José de Brito, Goulart Nogueira, Caetano de Mello Beirão) e que tinham dado vida a iniciativas culturais de uma certa envergadura (a re*vista Tempo Presente), na tentativa de relançar a or*todoxia da Revolução Nacional.

Vanguarda de Combate responde às acusações de extremismo, avançadas pelos sectores moderados do Re*gime, garantindo que por detrás do Movimento, não existe nenhuma intenção de "derrubar o Governo ou o Estado". A missão é, pelo contrário, a de defender a or*dem estabelecida, lembrando, todavia, que "esta fideli*dade a Salazar não implica, de modo algum, a nossa acei*tação automática de todas as iniciativas dos seus subor*dinados. Não admitimos transigências ideológicas da parte de nenhum funcionário do Regime" [Luís Fernan*des: "Linha Dura", in Agora, Ano VII, nº 334, 09.12.1967, pág. 10]. O que o Movimento quer é o abandono das ten*dências liberalizantes avançadas por alguns sectores do Regime e a restauração da ortodoxia indispensável para que "a Revolução alcance os seus verdadeiros objectivos e imponha a todos os Portugueses um novo estilo de vi*da, austero e militar, baseado na pureza moral, na intran*sigência ideológica, na dureza espartana" [ibidem], sendo aquele estilo de vida que a Mo*cidade Portuguesa deveria ter oferecido a todos os jovens por*tugueses.

A subida de Marcelo Cae*tano à Presidência do Conse*lho empurra os mais politiza*dos entre os assinantes do Manifesto de 1966 a cortar definitivamente qualquer li*gação de fidelidade com os di*ferentes vértices do Estado Novo. Principalmente os jo*vens que, no passado, tinham frequentado os meios do radi*calismo nacionalista (militan*do em movimentos como Jo*vem Portugal) apoiam-se agora nos sectores mais or*todoxos da Situação, procurando organizar-se politi*camente fora das organizações oficiais do regime.

O Movimento Vanguarda de Combate muda de nome em 1968, passando a chamar-se Movimento Vanguardista. O símbolo, que no Agora era representa*do pelo perfil de uma jovem camisa verde com a ban*deira nacional (lembrança das origens do Movimen*to), passa a ser uma águia imperial que aperta entre as garras uma cruz adornada de louros.

Em Março de 1969, sai o primeiro número da pu*blicação "Vanguarda" (sairão na totalidade sete núme*ros até Setembro de 1970), voz oficial do Movimento. O jornal reivindica, de imediato, a sua filiação ideológi*ca: "Hão-de chamar-nos fascistas. E talvez não se enga*nem, porquanto o nosso Vanguardismo é a expressão portuguesa da consciência política da geração europeia do pós-guerra, que se integra numa corrente de pensa*mento considerada neofascista." [Luís Fernandes: "A Juventude pede a palavra", nº 1, Março 1969, pág. 1]. As posições de Vanguarda são difundidas através de duas publicações irmãs, Acção e Gládio, distribuídas respecti*vamente pelos camaradas de Coimbra e Porto.

O novo papel de oposição nacionalista ao Governo de Marcelo Caetano, reivindicado pelo Movimento Van*guardista é, na verdade, comum a todas as expressões da frente nacional-revolucionária portuguesa e, de maneira particular, aos que se reconhecem na publicação da área nacionalista mais prestigiosa destes anos: Política.

A doutrinação neofascista

A doutrina na qual se reconhecem os militantes do Movimento Vanguardista é inspirada nas páginas dos clássicos da doutrina fascista (desde o Estado or*gânico e corporativo ao papel guia das elites), nomea*damente no idealismo e no "umanesimo dellavoro" do filósofo Giovanni Gentile e no sindicalismo de Sergio Panunzio. Esta doutrina foi concen*trada nos "XXV pontos do Vanguardismo", divulgados, em Abril de 1968, através do nº 354 de Agora.

Os XXV pontos estão reu*nidos em cinco secções, dedica*das, respectivamente, aos con*ceitos de Nação, Pátria, Impé*rio; Estado, Homem, Liberda*de; Trabalho, Economia, Corpo*rações; Governo, Províncias, Religião; Família, Juventude, Exército; Revolução Nacional.

A Nação é definida como a comunidade orgânica, na qual o Todo não é a soma das parcelas singulares (sejam elas indivíduos ou grupos so*ciais), mas superior a ela. Esta superioridade ontológica impõe ao Governo de servir o Todo, sacrificando tam*bém, se as circunstâncias o impuserem, algumas das partes, caso estas partes sejam prejudiciais para o Todo (ponto I). Deste pressuposto deriva o dever do Gover*no, frente aos imperativos das "necessidades permanen*tes" próprias da Nação historicamente definida, de sa*crificar os "interesses temporários" de uma geração (ponto II), se o sacrifício desta geração (a referência é evidente aos jovens combatentes das frentes africanas) puder servir os interesses da Pátria, considerada o Todo perfeito, unidade inalienável entre homens e terra (ponto III). A perfeição do Todo, para além disso, exclui qualquer hipótese de parcelamento da Soberania (pon*to IV) e, portanto, qualquer hipótese de solução da Guerra Colonial que seja em contradição com a dimen*são imperial de Portugal pluricontinental. Isto não im*pede, todavia, ao Estado a possibilidade de valorização das dimensões locais, principalmente das Províncias, enquanto estas não colocarem em perigo a unidade na*cional (ponto XIX). O fim último da acção do Governo deve ser a salvaguarda da Unidade histórica, represen*tada pela Tradição, pela Cultura, pela Religião, pela Ideologia e pela Política (ponto V).

O Estado é considerado a "forma totalitária da Na*ção", detentora da totalidade das funções políticas (ponto VI). Nesta visão orgânica, o Homem é subordi*nado à Comunidade. Para o Bem da Comunidade, o Es*tado pode exigir ao Homem qualquer sacrifício mate*rial – incluindo o da vida – mas nunca a renúncia à pró*pria dimensão espiritual, inalienável património de Deus (ponto VII). Com respeito às relações entre Esta*do e Igreja, a doutrina Vanguardista realça a unidade ca*tólica de Portugal e a sua missão evangelizadora, garan*tida pela constante cooperação entre as duas entida*des. Nega, todavia, às hierarquias católicas qualquer direito de intromissão nas questões de política nacional, de exclusiva competência do Estado (ponto XX). Está bem presente entre os Vanguardistas – e entre todos os militantes nacionais-revolucionários – o perigo das po*sições assumidas em Portugal e em todo o mundo pelo cada vez mais influente catolicismo progressista.

Assim, se existe uma relação hierárquica entre Comunidade e Homem, há também hierarquia entre os homens. Ciente das diferenças naturais, a doutrina vanguardista recusa qualquer género de igualitarismo, contrapondo-lhe o elitismo hierárquico, que permita aos melhores elementos da Comunidade constituir aquela "aristocracia autêntica" destinada a governar a Nação (ponto VIII). Só dentro desta estrutura hierárquico-meritocrática ganha valor o conceito de Liber*dade, entendida como a possibilidade de cada mem*bro da Comunidade poder concorrer, sem coacção, pa*ra o Bem da Pátria. Liberdade, portanto, como possi*bilidade de cumprir o próprio dever e não como licen*ça de tirar proveito dos próprios direitos, também em detrimento da independên*cia da Pátria, única liberdade suprema (ponto IX).

Entre o Homem e o Es*tado, todavia, existem corpos intermédios que estruturam a Comunidade, para os quais o Movimento Vanguardista olha com particular atenção: a Família e o Exército.

A Família é considerada a célula base da Comunidade, o primeiro elemento político orgânico do Estado corporati*vo, berço da educação nacional-revolucionária e cristã dos jovens (ponto XXI). Para além da Família, também o Estado deve ocupar-se da educação dos jovens, para a formação dos "futuros cidadãos-soldados do Império" (ponto XXII), constituintes da Nação Armada e o seu braço militar: o Exército (ponto XXIII).

No patamar económico, a doutrina vanguardista considera o Trabalho como um direito e um dever de to*dos os Portugueses, fonte da mesma cidadania, incom*patível com qualquer forma de parasitismo (ponto X). Na promoção do Trabalho, o Estado não deve substituir a empresa privada, mas "coordená-la e dirigi-la", de ma*neira a torná-la funcional para o Bem da Pátria, elimi*nando as inevitáveis especulações dos egoísmos particu*lares. Mesmo sendo reconhecido o papel da propriedade privada e, principalmente, a sua função social, o Estado tem a obrigação de manter em seu poder os sectores es*tratégicos da economia nacional, através da nacionaliza*ção dos mesmos (ponto XI). Os processos de aperfeiçoa*mento da estrutura corporativa do Estado devem, neces*sariamente, conduzir, na opinião dos militantes vanguar*distas, à abolição da Assembleia Nacional e à sua substituição pela Câmara Corporativa (ponto XIII).

Se no patamar económico o Movimento Vanguar*dista combate o capitalismo liberal, no campo político declara-se radicalmente contrário a qualquer género de Democracia, porque defensora da superioridade do Indivíduo (na versão liberal-capitalista) ou da Classe (na versão marxista) sobre a Comunidade nacional. Da mesma maneira, é denunciado o sufrágio univer*sal, sendo um sistema baseado no conceito de iguali*tarismo e pluralismo político, que cria diferenciações artificiais entre os membros da Comunidade e aban*dona o Estado às maiorias flutuantes (ponto XIV).

A estes conceitos considerados nefastos, a doutri*na vanguardista opõe o "Governo autoritário e repre*sentativo", o qual garante o desenvolvimento da Nação respeitando a Tradição histó*rica portuguesa (ponto XV), imperial e católica. O respeito desta Tradição nada tem a ver com a aceitação dos modelos políticos modernos, que po*dem, pelo contrário, revelar-se nocivos, mas com os princí*pios revolucionários (ponto XVI), que permitam a Portu*gal impulsionar, novamente, a missão imperial da Grei e vol*tar a encarnar o Espírito do Mundo (ponto XVII). Para al*cançar tais fins, o Movimento Vanguardista apela à necessi*dade, em política externa, de estabelecer alianças com aqueles Estados que suportam, como Portugal, a ofen*siva das duas superpotências norte-americana e sovié*tica. Neste sentido, proclama a necessidade de apro*fundar, na comunidade Lusíada, a aliança luso-brasilei*ra contra o materialismo capitalista e comunista e de acabar com as actuais alianças com Estados que nada fazem, nas Organizações internacionais, para a defesa dos legítimos interesses de Portugal (ponto XVIII).

Os últimos dois pontos, finalmente, são dedica*dos à necessidade de retomar o caminho da Revolução Nacional, cujos "objectivos políticos e sociais (...) prestes a ser atingidos, foram abandonados ou, estan*do praticamente conquistados, foram perdidos" (pon*to XXIV). A partir desta arrancada da dinâmica revo*lucionária deve surgir a elite política que constituirá o Movimento Único, futura corporação política, corpo intermédio entre o Povo e o Estado, cujo papel deve ser o aprofundamento, a defesa e a difusão da doutri*na da Revolução Nacional (ponto XXV).

Entre os anos 60 e 70, também o Movimento Van*guardista contribuiu para garantir os laços entre o neo*fascismo português e os movimentos congéneres euro*peus. Com este mesmo objectivo, desde Janeiro de 1969, o Movimento Vanguardista adere ao projecto "Convergência Ocidental" (promovido em colaboração com as organizações juvenis do Movimento Sociale Italiano e com os camaradas franceses e espanhóis) e à consequente tentativa de formação de uma "Consti*tuinte Juvenil Europeia". Ao abrigo deste projecto pu*blica, desde Janeiro de 1970, o periódico Occident e or*ganiza o "I Encontro Europeu José António Primo de Rivera", realizado em finais de Agosto de 1969 no Ins*tituto de Formação Social e Corporativa de Sintra.

A experiência do Movimento Vanguardista acaba no início dos anos 70, com a mobilização do seu funda*dor para a frente moçambicana, como capitão miliciano.

A história deste Movimento é sintomática de duas tendências do desenvolvimento do pensamento políti*co português daqueles anos. Por um lado, graças à sua origem como reacção interna à dissolução da Mocidade Portuguesa, representa a situação de agonia a que che*garam as estruturas do Estado Novo, já há muito tem*po incapazes de desenvolver a própria função institucional de reprodutoras de fidelidade ao Regime.

Por outro lado, como expressão da extrema-direita militante, o M.V. é portador de muitas característi*cas comuns aos movimentos portugueses homólogos que aparecem na cena política portuguesa pelo menos a partir dos anos 60: número extremamente reduzido de militantes e aderentes; exígua capacidade mobili*zadora (principalmente em comparação com as orga*nizações de extrema esquerda); actividade essencial*mente limitada à formação político-doutrinária.
__________________
Only force rules. Force is the first law - Adolf H. http://erectuswalksamongst.us/ http://tinyurl.com/cglnpdj Man has become great through struggle - Adolf H. http://tinyurl.com/mo92r4z Strength lies not in defense but in attack - Adolf H.

Last edited by RickHolland; March 24th, 2014 at 12:42 PM.
 
Old March 24th, 2014 #51
Cassinelli
Konservative Revolutionary
 
Cassinelli's Avatar
 
Join Date: Jul 2012
Location: Modern world
Posts: 298
Cassinelli
Default

Uma pergunta objetiva, mas é direcionada especialmente ao Rick Holland, o que acham do Juche e das derivações do comunismo asiático/terceiro mundo?
__________________
Socialist & Racialist
 
Old March 25th, 2014 #52
RickHolland
Wolves don't serve masters
 
RickHolland's Avatar
 
Join Date: Apr 2009
Location: Soviet Union
Posts: 5,037
Blog Entries: 1
RickHolland
Default

Quote:
Originally Posted by Cassinelli View Post
Uma pergunta objetiva, mas é direcionada especialmente ao Rick Holland, o que acham do Juche e das derivações do comunismo asiático/terceiro mundo?
Não tenho conhecimento sobre o Juche mas por exemplo no caso chinês o Maoismo tem algumas ideias interessantes principalmente sobre tácticas de guerriilha e também parece ser uma mistura de nacionalismo com comunismo.

O Carlos Marighella e o Che Guevara também tem bons textos se conseguires separar a ideologia do resto.

https://archive.org/details/GuerrillaWarfare_856

http://marxists.catbull.com/portugue...ella/index.htm

https://www.marxists.org/archive/guevara/works.htm
__________________
Only force rules. Force is the first law - Adolf H. http://erectuswalksamongst.us/ http://tinyurl.com/cglnpdj Man has become great through struggle - Adolf H. http://tinyurl.com/mo92r4z Strength lies not in defense but in attack - Adolf H.
 
Old March 25th, 2014 #53
Antônio Salles
Junior Member
 
Antônio Salles's Avatar
 
Join Date: May 2013
Posts: 214
Antônio Salles
Default

Quote:
Originally Posted by Cassinelli View Post
Uma pergunta objetiva, mas é direcionada especialmente ao Rick Holland, o que acham do Juche e das derivações do comunismo asiático/terceiro mundo?

Eu tenho admiração pelo regime norte-coreano. Não o vejo de modo algum como um governo marxista, embora esteticamente ainda apresente alguns destes traços. É um país que preserva a unidade racial, identidade cultural e a auto-determinação do seu povo, que não tem sofrido a degeneração promovida através do conteúdo midiático lixoso do ocidente e do marxismo cultural, sem homossexualismo e feminismo, sem pornografia, e onde os corruptos são condenados à pena de morte. Os norte coreanos são a população racialmente mais homogênea do mundo.
Eu entendo que esta forma de estado está longe de ser a mais ideal, mas a Coréia do Norte é um dos últimos baluartes contra este mundo decadente.
 
Old March 25th, 2014 #54
Erick Gefallener
Junior Member
 
Erick Gefallener's Avatar
 
Join Date: Mar 2014
Location: Sergipe, Brasil
Posts: 55
Erick Gefallener
Default

Quote:
Originally Posted by Antônio Salles View Post
Eu tenho admiração pelo regime norte-coreano. Não o vejo de modo algum como um governo marxista, embora esteticamente ainda apresente alguns destes traços. É um país que preserva a unidade racial, identidade cultural e a auto-determinação do seu povo, que não tem sofrido a degeneração promovida através do conteúdo midiático lixoso do ocidente e do marxismo cultural, sem homossexualismo e feminismo, sem pornografia, e onde os corruptos são condenados à pena de morte. Os norte coreanos são a população racialmente mais homogênea do mundo.
Eu entendo que esta forma de estado está longe de ser a mais ideal, mas a Coréia do Norte é um dos últimos baluartes contra este mundo decadente.
Concordo, embora eu aprecie mais o Irã (principalmente com Armadinejhad), o governo Sírio de Bashar Al Assad, e a Rússia de Putin.

Esses países ao menos não se limitam a seguir as ordens de IsraEua como a destruir a familia ou decadência de certos valores morais.
 
Old March 28th, 2014 #55
Lusi
Senior Member
 
Lusi's Avatar
 
Join Date: Jan 2011
Posts: 710
Lusi
Default

Ainda há algum tempo foram uns quanto fuzilados por terem uma bíblia e filmes sul-coreanos. Podem preservar a sua identidade, mas o que ali se passa é um povo sequestrado pelo medo, onde não há liberdade.

Também tenho uma grande admiração pelo presidente do Irão, Síria. Tal como admiro o Hezbollah e o Hamas.

http://www.alerta360.org/secciones/t..._del_norte.pdf

http://www.alerta360.org/
__________________
Consciência e Realidade = O Essencial
 
Old March 28th, 2014 #56
Erick Gefallener
Junior Member
 
Erick Gefallener's Avatar
 
Join Date: Mar 2014
Location: Sergipe, Brasil
Posts: 55
Erick Gefallener
Default

Eu também tenho simpatia por esses grupos xiitas pois apresentam uma ideologia mais anti-judaica, inclusive parece que o Hezbollah patrocina aquele site Radio Islam.

Quanto a situação na Coreia do Norte, a intolerancia religiosa é fortemente enraizada na doutrina marxista, lembremos que a Igreja Ortodoxa foi a que mais sofreu com os expurgos dos soviéticos.
 
Old March 28th, 2014 #57
Lusi
Senior Member
 
Lusi's Avatar
 
Join Date: Jan 2011
Posts: 710
Lusi
Default

Xiitas, Sunitas, Salafistas, Wanabistas, a mim parece-me ser tudo igual, acho que é questão de interpretação do Al-Corão.


Um soldado que se junta a um exército, que serve unicamente o interesse de Israel, não me causa nenhum sentimento de pena.

Houve mais liberdade religiosa com o Nacional-Socialismo de Hitler, do que em qualquer regime Comunista.

http://permanencia.org.br/drupal/node/1325

Acho que também não me interessa muito a religião, considero-me ateu. Sou baptizado e até crismado, quando era mais novo acreditava nessas coisas, depois cresci e tornei-me mais consciente, da mentira e daquilo que a Igreja defende.
__________________
Consciência e Realidade = O Essencial
 
Old March 28th, 2014 #58
Erick Gefallener
Junior Member
 
Erick Gefallener's Avatar
 
Join Date: Mar 2014
Location: Sergipe, Brasil
Posts: 55
Erick Gefallener
Default

A diferença entre xiitas e sunitas é a seguinte: Os primeiros só acreditam no Alcorão como livro sagrado e defendem que os líderes das naçoes arabes sejam descendentes diretos de Maomé, como a maior parte dos xiitas vem da Palestina, Siria, Irã e Iraque, eles possuem uma aversão maior aos judeus, sendo inclusive a maior parte defensores do.revisionismo do Holocausto ( como Armadinejad).Grupos Xiitas: Hezbollah, Hamas, Jihad Islamica e Martires de Al Quasa.

Já os sunitas acreditam que o Suna assim como o Alcorão sejam livros sagrados, e defendem que os lideres das naçoes arabes sejam escolhido pelos altos sacerdotes sem necessariamente ser descendente de Maomé. Grupos Sunitas: Al Quaeda, Al shabbad(negros da Etiopia), entre outras células de carater cosmopolita anti norteamericano.

Eu sou cristão protestante e vejo o cristianismo como anti-judaico depois explico o.porquê dessa minha opiniao.
 
Old March 28th, 2014 #59
Antônio Salles
Junior Member
 
Antônio Salles's Avatar
 
Join Date: May 2013
Posts: 214
Antônio Salles
Default

Quote:
Originally Posted by Lusi View Post
Ainda há algum tempo foram uns quanto fuzilados por terem uma bíblia e filmes sul-coreanos. Podem preservar a sua identidade, mas o que ali se passa é um povo sequestrado pelo medo, onde não há liberdade.
Baseado no que proferes tais afirmações? Naquilo que aprendeu com a mídia mainstream controlada por judeus? E o que seria liberdade na vossa ótica, senhor Lusi? É votar de quatro em quatro anos em governantes fantoches, lacaios do sionismo mundial e dos juros bancários? É poder comer no McDonald's e tomar Coca-Cola? É assistir os filmes destrutivos de Hollywood ou pornografia na internet?
Reitero que não considero o regime norte coreano como o ideal e não nego que este país tenha graves problemas, incluindo restrições à liberdade, mas fazer tais afirmações não é mais do que papagaiar as mentiras tão propaladas pela mídia judaica.
Sabia que a Coreia do Norte é um dos únicos países no mundo que ainda preserva a sua autonomia econômica, cujo o banco central não é controlado por banqueiros judeus apátridas? Esse é o principal motivo pelo qual este país é tão execrado pela grande mídia.
Não creio que nós aqui no ocidente sejamos mais livres que os norte-coreanos.
Hoje o sistema norte coreano está muito mais para um socialismo nacional do que para um regime comunista.

http://newscenter.berkeley.edu/2010/02/19/northkorea/
 
Old March 28th, 2014 #60
Guilherme
Junior Member
 
Join Date: Nov 2012
Posts: 120
Guilherme
Default

Concordo 100% com o Antonio Salles.

Lusi, o novo site do cara que escrevia pro Jewish Problem constantemente faz elogios a Coreia do Norte, veja o site muito bom:

http://crushzion.k0nsl.org/
http://crushzion.k0nsl.org/category/north-korea

Essa conversa de que o lider norte-coreano é comunista é balela, ele distribui até cópias do mein kampf:
http://www.washingtonpost.com/blogs/...ean-officials/

Tem um video de um ativista anti-sionista negro chamado John Alan Martinson Jr. cujo nome é "North Korea - Stronghold of Freedom" que fala como muitas ações militares da Coreia do Norte eram contra Israel. Estava disponível nos sites Vimeo e JewTube mas já deve ter sido apagado.

Pra mim a Coreia do Norte usa uma ideologia mais voltada ao NS da melhor forma que eles podem e aplicada à raça deles.

Quote:
Originally Posted by Antônio Salles View Post
Baseado no que proferes tais afirmações? Naquilo que aprendeu com a mídia mainstream controlada por judeus? E o que seria liberdade na vossa ótica, senhor Lusi? É votar de quatro em quatro anos em governantes fantoches, lacaios do sionismo mundial e dos juros bancários? É poder comer no McDonald's e tomar Coca-Cola? É assistir os filmes destrutivos de Hollywood ou pornografia na internet?
Reitero que não considero o regime norte coreano como o ideal e não nego que este país tenha graves problemas, incluindo restrições à liberdade, mas fazer tais afirmações não é mais do que papagaiar as mentiras tão propaladas pela mídia judaica.
Sabia que a Coreia do Norte é um dos únicos países no mundo que ainda preserva a sua autonomia econômica, cujo o banco central não é controlado por banqueiros judeus apátridas? Esse é o principal motivo pelo qual este país é tão execrado pela grande mídia.
Não creio que nós aqui no ocidente sejamos mais livres que os norte-coreanos.
Hoje o sistema norte coreano está muito mais para um socialismo nacional do que para um regime comunista.

http://newscenter.berkeley.edu/2010/02/19/northkorea/
 
Reply

Share


Thread
Display Modes


All times are GMT -5. The time now is 11:20 AM.
Page generated in 0.32168 seconds.

VNN on Twitter